Anadia/AL

30 de novembro de 2021

Anadia/AL, 30 de novembro de 2021

Justiça condena homem por injúria racial contra funcionários de posto na Mangabeiras

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 21 de outubro de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
8d755a9ea8e6f5c2c039b9d4036d38c0

Arte: Clara Fernandes.

Decisão do juiz Josemir Pereira determina pagamento de 10 salários-mínimos em favor das duas vítimas - Mark Nascimento

A 4ª Vara Criminal de Maceió condenou Gabriel Rudha Santos Calheiros de Melo Amaral por ameaça e injúria racial, ao proferir ofensas contra dois funcionários de um posto de gasolina no bairro Mangabeiras, no dia 28 de agosto de 2020. A decisão, publicada no Diário de Justiça Eletrônico desta quarta-feira (20), é do juiz Josemir Pereira de Souza.

O magistrado substituiu a pena privativa de liberdade por uma restritiva de direitos, determinando ao réu o cumprimento de prestação pecuniária, devendo Gabriel realizar o pagamento de 10 salários-mínimos às duas vítimas.

Os funcionários relatam que o acusado chegou de manhã no posto pedindo o abastecimento do equivalente a cinco reais de gasolina, mas não obteve êxito ao tentar ligar o carro. Em seguida, o acusado pediu para que os frentistas empurrassem o automóvel, porque não estava com gasolina suficiente, momento que acabou se alterando.

As testemunhas afirmam que Gabriel Rudha estava sob efeito de álcool e ameaçou um dos frentistas, dizendo ter cursado aulas de tiro e andar armado. Segundo os depoimentos, o réu chamou uma das vítimas de “preta piniqueira”.

“Levando em conta que a utilização da expressão ‘preta piniqueira’, no contexto narrado, teve o intuito de atingir a honra subjetiva da vítima, fica mais do que evidente o dolo da conduta. Nesse sentido, em crimes como a injúria racial, que não deixam vestígios, é conferida à palavra da vítima relevância especial, desde que se mostre segura, coerente e harmoniosa às demais provas produzidas nos autos”, diz a decisão.

O acusado alegou não ter ingerido bebida alcoólica e que as ofensas proferidas na ocasião foram no calor da emoção, mas não tinham cunho racista.

* Dicom TJ/AL


Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter