Como se pode ver nas imagens, Pedro Henrique Monteiro da Silva está de joelhos, esfregando um pano no chão. De costas para as câmeras e ao lado dele está uma mulher que parece gravar o funcionário. É possível ouvi-la dizer: “Olha aí, só pra você esse cara tem valor. Esse menino… Ele não limpa a casa dele”. O funcionário chega a responder, mas não é possível compreender o que ele diz.

Diante da repercussão do caso de assédio moral nas redes sociais, o G1 falou com o funcionário, que tem 23 anos. Ele contou que o caso ocorreu entre 26 e 30 de setembro. A funcionária teria ficado nervosa após o jovem, que foi limpar o chão apenas porque ela pediu para que ele desse um apoio na função, não conseguia tirar uma demarcação preta do piso.

“Já é costume ela ser assim, desde que chegou. Mas eu não queria mídia, não queria manchar o nome da empresa. Eu tinha outros gerentes muito bons. Eles me deram uma oportunidade, eu quero crescer. Tenho medo de ser demitido”, contou o rapaz, que disse só ter tomado conhecimento do vídeo quando ele repercutiu nas redes sociais. Ele diz ainda que se tornou até alvo de chacota entre os colegas do trabalho e precisou pedir afastamento médico, mas não foi procurado pela empresa.

O portal procurou o Carrefour, que, em resposta, disse repudiar “todo e qualquer comportamento indevido por parte de seus colaboradores”. A rede também informou que apura o caso internamente e, portanto, afastou a funcionária envolvida.

Fonte: IG