Anadia/AL

30 de novembro de 2021

Anadia/AL, 30 de novembro de 2021

Retirada de genocídio de relatório da CPI não alivia crimes de Bolsonaro contra indígenas

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 26 de outubro de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
Brasília - Índios do Acampamento Terra Livre fazem nova manifestação na Esplanada dos Ministérios (José Cruz/Agência Brasil)

José Cruz/Agencia Brasil

Texto final é votado nesta terça pelos senadores. Ações de Bolsonaro contra as populações originárias não serão aliviadas e poderão ser julgadas no Tribunal Penal Internacional

A CPI da Covid vota o relatório final nesta terça-feira (26) e, até o momento, o crime de genocídio contra povos indígenas foi excluído do texto. Apesar da possibilidade de não indiciamento pelo crime, as ações de Jair Bolsonaro contra as populações originárias não serão aliviadas e poderão ser julgadas no Tribunal Penal Internacional (TPI).

De acordo Rafael Modesto, advogado dos indígenas Xokleng e assessor jurídico do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a CPI da Covid tem as provas e documentos sobre os fatos que mostram como Bolsonaro lidou com os povos indígenas. “Isso está anexado no documento e não alivia a responsabilidade de Bolsonaro sobre as apurações feitas na CPI. A troca do termo da denúncia não tira o peso do que o governo fez”, afirmou, em entrevista ao jornalista Glauco Faria, da Rádio Brasil Atual.

Antes da apresentação do relatório, o grupo majoritário da CPI decidiu retirar o indiciamento do presidente da República pela prática de suposto crime de genocídio de indígenas e substituído por crime contra humanidade. De acordo com os senadores, “não havia consenso” sobre o tema.

“Não ter havido um acordo entre os senadores sobre a imputação do crime, não muda o fato da população indígena achar que houve, sim, o crime de genocídio. Por toda a sorte, o fato será julgado no Tribunal Penal Internacional e esperamos que o presidente seja punido por isso”, disse o advogado.
Bolsonaro contra indígenas

Ainda antes da conclusão da CPI, foi entregue um dossiê, elaborado por diferentes organizações, com evidências do crime de genocídio. Além disso, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) apresentou, no último dia 9, nova denúncia contra Bolsonaro no TPI, em Haia, na Holanda.

O documento, de 184 páginas, aponta que as políticas adotadas pelo governo federal, além dos discursos de Bolsonaro, têm estimulado invasões de terras indígenas para o garimpo ilegal, desmatamento e incêndios nos biomas. Entre inúmeros exemplos, citam o desmantelamento da Funai e o congelamento dos processos de demarcação de terras.

Segundo o advogado, as ações das organizações indigenistas não se esgotam na CPI. “Tudo será encaminhado à PGR, OAB e diversos órgãos internacionais. Apesar dos senadores não averiguarem o crime de genocídio, outra instância pode aceitar a denúncia”, explicou.

Um dos locais onde serão apresentadas as denúncias contra Bolsonaro por genocídio será na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP 26. “O movimento indígena fará parte desse espaço importante para fazer uma denúncia internacional. As áreas demarcadas, além de preservar a cultura, são locais de preservação ambiental e Bolsonaro está acabando com isso”, acrescentou Rafael.

* RBA

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter