Anadia/AL

5 de dezembro de 2021

RÁDIO ABN NEWS

Anadia/AL, 5 de dezembro de 2021

Mensalão da era Bolsonaro ganha apelido de “Emendas do Relator”, ou secretas

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 22 de novembro de 2021

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on email
1612290819_60199b03513d2

Foto: Jornal da cidade online

Roberto Villanova

Até agora, as chamadas “Emendas do Relator do Orçamento“, ou “Emendas Secretas” porque ninguém sabe como o dinheiro foi gasto, consumiu 38 bilhões e 100 milhões de reais.

O que se sabe é da compra superfaturada de tratores, mas não deve ser apenas tratores; se o Tribunal de Contas da União esmiuçar a contabilidade pode encontrar vários jabutis trepados em árvores – embora jabuti não suba em árvore.

Coisas da “nova política”, que os incautos acreditam existir.

Mas, o vice-presidente da República Hamilton Mourão, embora critique o modelo adotado pelo governo Bolsonaro, e que substitui na prática o sistema do “mensalão”, discorda da comparação; Mourão disse em entrevista ao portal UOL que há diferença entre um e outro modelo, porque com o “mensalão” era “dinheiro vivo” distribuído à base aliada.

E com as chamadas “Emendas do Relator”, por acaso, é dinheiro morto?

No ano passado o governo liberou 20 bilhões e 100 milhões de reais para a farra da base nesse “orçamento secreto”, e este ano, até agora – até o Supremo Tribunal Federal mandar suspender -, já liberou mais 18 bilhões de reais, e não por coincidência, às vésperas da votação da PEC dos Precatórios ou PEC do Calote.

Mourão admitiu que, no início, o governo tentou impor a negociação com o Congresso Nacional através das “bancadas temáticas”, ou seja, negociando com grupos ( ruralistas, bancada da bala, etc.), mas o sistema não deu certo e o governo se viu obrigado a adotar a velha prática – ele não disse, mas é a prática do toma lá dá cá -, e isso atrasou as ações governamentais.

Na minha visão, o orçamento foi sequestrado. Qual é o dever do Congresso? O governo apresenta a peça orçamentária, e o Congresso define realmente onde serão as prioridades, e a partir dali, a responsabilidade pela execução é do Executivo. Isso fugiu com essa questão do orçamento secreto. Foge dos princípios da administração pública. Onde está a impessoalidade nisso aí? Onde está a publicidade? Você não sabe para onde está indo esse recurso.” -, disse Mourão.

É verdade, mas ainda tem idiota acreditando que o país mudou, que a corrupção acabou, que a mamata acabou. Sim, eu sei, são os idiotas uteis.

Blog do Bob

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter