Recém filiado ao Podemos, o  general Santos Cruz afirmou em entrevista que tanto o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) quanto o atual mandatário Jair Bolsonaro (PL) “destruíram a democracia”. Na sua visão, “um destruiu a esquerda, o outro destruiu a direita”.

A avaliação do militar é a de que um retorno do petista ao Planalto – ou a reeleição do capitão do Exército – seria “um grande retrocesso para o Brasil”.

Ex-ministro da Secretaria de Governo de Bolsonaro, Cruz passou a apoiar a pré-candidatura de Sergio Moro à presidência da República. De acordo com o general, o apoio ao ex-juiz ocorre “para que o Brasil não fique nesse dilema da polarização”.

A ideia de entrar na política, segundo o general, amadureceu após sua saída do governo Bolsonaro. Isso porque, na visão do militar, houve uma tentativa de ‘arrastar’ as Forças Armadas para as aventuras políticas do atual presidente. “As Forças têm de ser valorizadas, preservadas e não podem ser instrumento de jogo político”.

Relacionamento com o Centrão

Questionado sobre uma possível interlocução com congressistas denunciados – caso se elega para a Câmara ou o Senado -, Santos Cruz diz que não teria problemas em dialogar com ‘figurões’ do centrão, como o atual presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL).

Sobre a pecha de ‘traídor’, atribuído a Moro por políticos próximos à família Bolsonaro, Santos Cruz afirmou – em entrevista à Folha de S.Paulo – que “essa tentativa de transferência de traição não cola”.

“O grande traidor deste país se chama Jair Messias Bolsonaro. Ele traiu todas as promessas de campanha. Traiu um país inteiro. Ele falou que era contra a reeleição, mas governa desde o primeiro momento pela reeleição. Não cantaram musiquinha de que o centrão era um bando de criminosos? Ele descaracterizou o Coaf. Ele não prometeu que tinha de acabar com o toma lá da cá? Agora que ele se filiou ao PL, voltou para casa, como ele falou”, afirma.

Fonte: IG