Anadia/AL

17 de maio de 2022

Anadia/AL, 17 de maio de 2022

À PF empresário diz que pagou reforma de imóvel de filho de Bolsonaro

Por Alagoas Brasil Noticias

Em 13 de maio de 2022

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
cats 1

Foto: Foto: EVARISTO SA / AFP

Luís Felipe Belmonte confirmou o pagamento de R$ 9,5 mil em obra de sala usada pelo filho do presidente, mas negou irregularidades | 16:42

Em depoimento à Polícia Federal, o empresário Luís Felipe Belmonte confirmou o pagamento de R$ 9,5 mil para reformar o escritório usado por Jair Renan Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Ele afirmou a ajuda financeira foi dada a pedido do próprio “04” e de seu então sócio, o personal trainer Allan Lucena. As informações são do jornal O Globo.

Belmonte ficou conhecido nacionalmente pela mobilização para criar o Aliança para o Brasil, partido pelo qual Bolsonaro tentaria a reeleição. No entanto, o projeto não conseguiu assinaturas suficientes para o registro da legenda.

A PF ouviu Belmonte no âmbito do inquérito que apura suspeita de tráfico de influência de Jair Renan Bolsonaro no governo federal. Os investigadores questionaram se o empresário solicitou algum tipo de intermediação ao filho do presidente junto ao governo para atender seus interesses comerciais. Belmonte nega. “Não tem nenhum relacionamento com o poder público”, declarou.

Durante o depoimento, o empresário afirmou ainda que “o fato de ser filho do presidente da República é irrelevante” e que patrocina atletas e atividades na área esportiva desde 2016.

Ao jornal a arquiteta Tânia Fernandes, responsável pela obra, confirmou o pagamento do recurso pelo empresário. O escritório fica localizado em um camarote do estádio Mané Garrincha, em Brasília.

Já o advogado de Renan, Frederick Wassef, negou qualquer irregularidade. “Não solicitou dinheiro a ninguém, não recebeu um único real de quem quer que seja, não recebeu carro de presente, não atuou para nenhuma empresa, não solicitou que ninguém pagasse nada a ninguém, e seu nome foi usado indevidamente.”

Entenda o caso

No ano passado, a PF abriu inquérito para investigar a atuação de Renan Bolsonaro em supostas intermediações de negócios de empresários com o governo federal em troca de vantagens pessoais.

No fim de 2020, representantes da empresa Gramazini Granitos e Mármores Thomazini, que atua nos setores de mineração e construção, conseguiram uma reunião com o então ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho (PL), cerca de um mês após presentearem Jair Renan e o empresário Allan Lucena com um carro elétrico avaliado em R$ 90 mil.

Em depoimento, o filho do presidente Jair Bolsonaro contou que o personal trainer seria responsável pela captação de patrocinadores para investirem no camarote que os dois abriram no estádio Mané Garrincha. “Quem resolvia tudo era o Allan”, declarou, segundo o jornal O Globo.

Fonte: Metrópoles

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter