Anadia/AL

1 de julho de 2022

Anadia/AL, 1 de julho de 2022

Delegado da PF responsável pela prisão de Milton Ribeiro denuncia interferência na investigação

Por GyanCarlo

Em 23 de junho de 2022

vv1

Milton Ribeiro e Bruno Calandrini (Foto: ABr | Divulgação)

Delegado Bruno Calandrini diz que investigação foi "prejudicada" em razão de tratamento diferenciado dado pela polícia ao ex-ministro de Jair Bolsonaro | 16:22

Delegado federal responsável pelo pedido de prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, Bruno Calandrini afirmou em mensagem enviada a colegas que houve “interferência na condução da investigação” e que a investigação foi “prejudicada” em razão de tratamento diferenciado dado pela polícia ao ex-ministro de Jair Bolsonaro, segundo reportagem da Folha de S.Paulo.

De acordo com a matéria, o delegado federal agradeceu o empenho da equipe que participou da operação da Polícia Federal (PF) desta quarta-feira, 22, mas disse não ter “autonomia investigativa para conduzir o inquérito deste caso com independência e segurança institucional”.

Na quarta, Ribeiro e outros investigados foram detidos. Eles ficaram na PF de São Paulo até esta quinta-feira, 23, após o desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, decidiu pela cassação da prisão preventiva de Ribeiro e dos demais presos na operação..

O ex-ministro é suspeito de ter montado gabinete paralelo com pastores no MEC para conseguir propina em troca de liberação de verbas para educação.

De acordo com a Folha, a cúpula da PF ficou surpresa com a postura do delegado Bruno Calandrini. O órgão policial alegou risco de segurança e restrições orçamentárias para manter o ex-ministro em São Paulo em vez de transportá-lo para Brasília.

Para Calandrini, a direção da PF, desta forma, interfere na investigação, acarretando em falta de autonomia para que ele conduza a apuração com independência e segurança institucional.

“A investigação envolvendo corrupção no MEC foi prejudicada no dia de ontem em razão do tratamento diferenciado concedido pela PF ao investigado Milton Ribeiro”, critica, alegando que Ribeiro “foi tratado com honrarias não existentes na lei”.

“Apesar do empenho operacional da equipe de Santos que realizou a captura de Milton Ribeiro, e estava orientada, por este subscritor, a escoltar o preso até o aeroporto em São Paulo para viagem à Brasília”, continua.

Ainda de acordo com a reportagem da Folha de S.Paulo, nos bastidores, integrantes da cúpula da PF afirmam que ficaram sabendo na noite anterior à operação de toda a logística que seria necessária para cumprimento dos mandados de prisão e busca e apreensão. Assim, eles argumentam que, por isso, não foi possível fazer o planejamento adequado.

“A investigação foi obstaculizada ao se escolher pela não transferência de Milton a Brasília à revelia da decisão judicial”, destaca Calandrini. A transferência do ex-ministro de São Paulo para Brasília foi ordenada pelo juiz Renato Borelli, da 15ª Vara Federal do Distrito Federal e no mandado de prisão do ex-ministro constava que o translado deveria ser realizado assim que a prisão fosse efetuada.

*Brasil 247