Anadia/AL

17 de agosto de 2022

Anadia/AL, 17 de agosto de 2022

ONU anuncia missão para apurar ataque ucraniano a prisão de Donetsk

Por GyanCarlo

Em 4 de agosto de 2022

onuu

António Guterres (Foto: UNTV)

Antonio Guterres observou que estava em curso um trabalho para definir os objetivos da missão de descoberta de fatos e que seriam apresentados relatórios a Moscou e Kiev. - 09:39

O Secretário-Geral das Nações Unidas Antonio Guterres anunciou o lançamento de uma missão de apuramento de factos num ataque de bombardeamento a um centro de detenção na República Popular de Donetsk.

Guterres salientou numa conferência de imprensa dedicada ao terceiro relatório do Global Crisis Response Group on Food, Energy and Finance que a ONU tinha recebido pedidos russos e ucranianos para conduzir uma investigação. “Decidi, de acordo com as minhas próprias competências e poderes, lançar uma missão de apuramento de factos”, disse, acrescentando que não tinha “autoridade para fazer investigações criminais, mas para lançar uma missão de apuramento de factos”.

“Os termos de referência para essa missão de apuramento de factos estão a ser preparados neste momento, serão partilhados com o governo da Federação Russa e o governo da Ucrânia”, acrescentou o chefe da ONU.

Ele esperava que fosse possível “ter um acordo sobre os termos de referência dessa missão”. “Estamos ao mesmo tempo à procura de pessoas competentes e independentes que possam integrar essa missão de apuramento de factos”. E esperamos ter todas as facilidades de ambos os lados para acesso e para a obtenção de todos os dados necessários para poder esclarecer a verdade sobre o que aconteceu. Portanto, este é um assunto que levamos muito a sério”, sublinhou Guterres.

Segundo o porta-voz do Ministério da Defesa russo, Tenente-General Igor Konashenkov, a 29 de Julho, os militares ucranianos utilizaram um sistema de foguete HIMARS de fabrico norte-americano para bombardear um centro de detenção pré-julgamento na colónia de Yelenovka, onde são mantidas as tropas ucranianas capturadas. De acordo com os últimos dados, o ataque matou 50 membros do serviço ucraniano e deixou 73 feridos. O Ministério da Defesa russo afirmou que Moscou tinha convidado peritos das Nações Unidas e do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para sondar o ataque.

Fonte: Brasil 247