Anadia/AL

17 de agosto de 2022

Anadia/AL, 17 de agosto de 2022

Fome no Brasil registrou aumento de 63% desde 2004

Por GyanCarlo

Em 6 de agosto de 2022

vv1

Reprodução

Pessoas negras são as mais afetadas; falta de políticas de longo prazo prejudicam combate às desigualdades | GABRIELLA SOARES e ANNA JÚLIA LOPES | 15:29

O Brasil registrou um aumento de 63% nos índices de fome desde 2004, chegando a 33 milhões de pessoas sem ter o que comer. Segundo especialistas ouvidos pelo Poder360, a alta se dá por um conjunto de fatores, incluindo desmonte de políticas públicas e piora da situação econômica das famílias mais vulneráveis.

Os dados são do projeto Vigisan (Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da covid-19 no Brasil), realizado pela Rede Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional). Eis a íntegra do estudo (19 MB).

A série histórica apresenta uma queda nos níveis de insegurança alimentar durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT). No entanto, os números voltaram a subir a partir de 2018 e tiveram uma alta expressiva no 1º ano da pandemia de covid-19. Não tiveram redução mesmo com a retomada da economia, em 2022.

Segundo o professor e economista Nilson Maciel, da Rede Penssan, a fome é um fenômeno endêmico” e não pode ser tratada de forma isolada. “A fome vem acompanhada de uma simbiose muito acentuada, com outras fragilidades: moradia, cuidado com a saúde, comprar remédios, comprar roupa, pagar aluguel, conta de água”, afirma o professor.

O economista disse que os números alcançaram alta expressiva nos últimos anos devido ao desmonte de algumas políticas públicas e instituições iniciado pelo governo de Michel Temer (MDB), em 2016, e continuado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

A mestre em Serviço Social e diretora do Ibase (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas), Rita Brandão, destaca a extinção do Ministério de Desenvolvimento Agrário, o desmonte da estrutura do Sisan (Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional) e a reforma trabalhista como algumas das ações feitas pelo governo Temer que contribuíram para o aumento da fome no país.

“A gestão Bolsonaro deu continuidade ao desmonte”, afirma. No governo Bolsonaro, Brandão cita a “desconstrução e o esvaziamento” de políticas públicas importantes para a garantia do Direito Humano à Alimentação, como o PAA (Programa de Aquisição de Alimentos) e o Pnae (Programa Nacional da Alimentação Escolar).

De acordo com a pesquisa, mais da metade da população brasileira vive com algum grau de insegurança alimentar (125,2 milhões de pessoas). O estudo define a situação pela falta de acesso regular e permanente a alimentos e a divide em 3 níveis: leve, moderada e grave.

NEGROS SÃO MAIS AFETADOS

Apesar da insegurança alimentar afetar toda a população, o estudo mostra que lares chefiados por pessoas negras sofrem 39% mais quando comparado com pessoas brancas.

A disparidade entre pessoas negras e brancas pode ser observada em todas as 3 categorias da insegurança alimentar, mas é em sua forma mais grave que a diferença é mais expressiva, com 18,1% da população negra passando fome contra 10,6% dos brancos. É uma diferença de 7,5 pontos percentuais.

Segundo Brandão, lares chefiados por mulheres negras são ainda mais afetados não apenas pelos diferentes modos de insegurança alimentar, como também por “todas as formas de desigualdades sociais”.

Ela reforça que as mulheres negras estão na “base da pirâmide” e são expostas a mais vulnerabilidades. A assistente social menciona ainda um maior índice de desemprego, menor acesso à moradia e à educação como fatores para o processo de precarização da vida da população.

Precisamos reconhecer que vivemos em uma estrutura racista, machista e sexista. A fome tem endereço, cor e sexo. Essa é uma mazela que trava o avanço do Brasil para uma sociedade democrática mais justa e igualitária”, declarou.

REGIÕES

As regiões Norte e Nordeste são as duas com maior percentual da sua população em estado moderado ou grave de insegurança alimentar. Respectivamente, 45,2% e 38,4% das pessoas não têm acesso regular a alimentos.

Os números são quase o dobro do Sudeste, a região mais habitada do país.

Em 2021, as duas foram as regiões com menor rendimento médio mensal domiciliar per capita, sendo o Nordeste com R$ 843 e o Norte com R$ 871, segundo levantamento da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua.

Já o Sul e o Sudeste se mantiveram com os maiores rendimentos, com R$ 1.656 e R$ 1.645, respectivamente.

A região Nordeste ainda corresponde a mais de 47% das famílias atendidas pelo programa de transferência de renda do governo federal, o Auxílio Brasil. São 8,6 milhões de pessoas contempladas na região, segundo o próprio governo, que decidiu aumentar o valor da parcela do auxílio de R$ 400 para R$ 600 até o final de 2022.

AUXÍLIO BRASIL

Apesar de o governo federal ter aumentado o valor do Auxílio Brasil para R$ 600, o problema da fome no Brasil não deve diminuir significativamente. Os motivos são diversos, mas o principal deles é o modelo do programa social.

Segundo Daniel Duque, pesquisador do FGV/Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas), a forma como o auxílio funciona permite disparidades. Diferentemente do Bolsa Família, seu antecessor, o programa criado pelo governo Bolsonaro não leva em conta o nível de vulnerabilidade para decidir o valor do pagamento às famílias.

Ao extinguir o Bolsa Família, o governo federal alterou o programa para que todas as famílias beneficiárias recebessem R$ 400. Antes, o programa social levava em conta 3 fatores para diminuir as desigualdades sociais:

  • número de integrantes da família (núcleos com crianças);
  • renda familiar per capita;
  • linha da extrema pobreza (benefício que buscava complementar a renda).

Muitas famílias que estavam recebendo o Bolsa Família anteriormente já estavam com um benefício muito próximo do valor de R$ 400 ou até de R$ 600 para a família toda, porque, por exemplo, tinha muitas crianças ou uma renda muito reduzida, então tinham um benefício elevado. Então acaba que o aumento foi muito baixo para essas famílias”, afirma Duque. “Quem recebeu mais, quem teve os maiores aumentos são famílias menores, com menos necessidades de recursos.

Essa disparidade dificulta o combate à fome no país, mesmo com mais pessoas sendo atendidas. Atualmente, são 18,1 milhão de pessoas —a partir da próxima parcela, o governo pretende zerar a fila e beneficiar 20,2 milhões. Para o pesquisador, é necessário que o programa seja redesenhado.

Maciel afirma que uma política “muito mais agressiva” é necessária no curto prazo. Para ele, é preciso “reorganizar os parâmetros do Bolsa Família, como criança na escola, dinheiro para as mães, e ampliar o escopo da transferência de renda”.

Brandão tem uma avaliação similar: “Sem a ampliação do programa, sem a conjugação com demais políticas de proteção social não podemos falar da diminuição da escala da fome no país”.

Duque também avalia que os valores precisam ser altos. Diz ainda que é necessário que o programa seja permanente e observe as diferentes vulnerabilidades.

[O Auxílio Brasil] certamente combate menos as desigualdades do que antes.”

Maciel critica também o “caráter eleitoral” do auxílio. O economista diz ainda que a intenção da medida não é necessariamente colocar uma política em prática.

O benefício –assim como o aumento de seu valor– é um esforço de Bolsonaro para melhorar o desempenho entre os mais pobres.

A maior inserção de dinheiro na medida veio com a aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) das bondades, que reconhece estado de emergência e autoriza o governo a criar e ampliar programas sociais no ano eleitoral.

PODERDATA

Apesar de Bolsonaro ter apostado no Auxílio Brasil para alavancar sua candidatura, o programa ainda não reflete em sua intenção de voto. A pesquisa PoderData, realizada de 31 de julho a 2 de agosto de 2022, mostra que o ex-presidente Lula tem 58% das intenções de voto entre os eleitores que declaram ter recebido alguma parcela do Auxílio Brasil no último mês, contra 25% de Bolsonaro.

Esta é a última rodada do PoderData realizada antes de o governo iniciar os pagamentos do Auxílio Brasil com valor ampliado para R$ 600. Os resultados mostram que Bolsonaro tem um longo caminho a percorrer com esse público.

Além de não conseguir angariar votos ainda neste seguimento, o atual presidente também conta com a desaprovação de 65% das pessoas que receberam alguma parcela do benefício. A aprovação é de 32%.

As dificuldades de Bolsonaro também podem ser observadas na intenção de voto do atual chefe do Executivo entre os que ganham até 2 salários mínimos. São 32% para ele, contra 48% para Lula no 1º turno nesse estrato social.

No cenário geral, o petista lidera a corrida com 43% dos votos, contra 35% de Bolsonaro. O presidente já chegou a dizer que o Brasil possui segurança alimentar e que alimenta “mais de 1 bilhões de bocas” pelo mundo. O ex-presidente Lula, no entanto, criticou a atual gestão que, segundo ele, “ignora” que 33 milhões de brasileiros estão passando fome.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, empresa do grupo Poder360 Jornalismo, com recursos próprios. Os resultados são divulgados em parceria editorial com a TV Cultura. Os dados foram coletados de 31 de julho a 2 de agosto de 2022. Foram 3.500 entrevistas em 322 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O intervalo de confiança é de 95%. O registro no TSE é BR-08398/2022.

AGREGADOR DE PESQUISAS

Poder360 mantém acervo com milhares de levantamentos com metodologias conhecidas e sobre os quais foi possível verificar a origem das informações. Há estudos realizados desde as eleições municipais de 2000. Trata-se do maior e mais longevo levantamento de pesquisas eleitorais disponível na internet brasileira.

O banco de dados é interativo e permite acompanhar a evolução de cada candidato. Acesse o Agregador de Pesquisas clicando aqui.

As informações de pesquisa começaram a ser compiladas pelo jornalista Fernando Rodrigues, diretor de Redação do Poder360, em seu site, no ano 2000. Para acessar a página antiga com os levantamentos, clique aqui….

*Poder 360