Anadia/AL

21 de julho de 2024

Anadia/AL, 21 de julho de 2024

Corrida nuclear, R$ 15 mil por segundo: Potências modernizam arsenal atômico em meio à escalada de tensões

Corrida Armamentista - 23:36

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 17 de junho de 2024

Geral

Míssil Hwasong 17 é exibido em parada militar em Pyongyang — Foto: KCNA via KNS / AFP

🇧🇷 O Globo

Na esteira do aumento das tensões geopolíticas, as potências nucleares modernizaram os seus arsenais atômicos e elevaram os gastos nesta área em um terço nos últimos cinco anos, indicaram dois relatórios publicados nesta segunda-feira (17).

De acordo com a Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares (Ican, sua sigla em inglês),  os nove países com armas nucleares — Rússia, Estados Unidos, França, Índia, China, Israel, Reino Unido, Paquistão e Coreia do Norte — gastaram no segmento um total de US$ 91 bilhões (R$ 487 bilhões), no ano passado.

O relatório mostra, juntamente a outro publicado pelo Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo (Sipri, na sigla em inglês), que os gastos destes países aumentaram consideravelmente à medida que as suas armas nucleares foram modernizadas. As potências até implantaram novos sistemas, apontam os estudos.

— Acho razoável dizer que há uma corrida armamentista nuclear em andamento — disse Melissa Parke, diretora do ICAN, à AFP.

R$ 15 mil por segundo

Pela primeira vez, o Sipri estimou que a China tem “algumas ogivas nucleares em estado de alerta operacional elevado”, ou seja, prontas para uso imediato.

Embora “o número total de ogivas nucleares continue a diminuir à medida que as armas da era da Guerra Fria são progressivamente desmanteladas”, há um aumento no “número de ogivas nucleares operacionais” de ano para ano pelas potências nucleares, segundo Dan Smith, diretor do Sipri.

Segundo a Ican, os gastos com armas nucleares em todo o mundo aumentaram US% 10,8 bilhões em 2023 em relação ao ano anterior. Os Estados Unidos foram responsáveis ​​por 80% desse aumento.

A participação dos EUA nos gastos totais, de US$ 51,5 bilhões, “é maior do que a de todos os outros Estados com armas nucleares combinados”, afirmou a Ican. Washington é seguido por Pequim (US$ 11,8 bilhões) e Moscou (US$ 8,3 bilhões).

As potências nucleares gastaram no total US$ 2.898 por segundo (R$ 15,5 mil) no ano passado para financiar estas armas, de acordo com o relatório. Os montantes atribuídos às armas nucleares aumentaram 33% desde 2018 (que naquela altura era de US$ 68,2 bilhões), quando o Ican começou a recolher os dados.

Em todos estes anos, estes países investiram cerca de US$ 387 bilhões de dólares nestas armas, acrescentou a entidade. Parke denunciou o “uso inaceitável de fundos públicos” para esse fim e chamou as despesas de “obscenas”.

Segundo a diretora do Ican, estes fundos representam mais do que o Programa Alimentar Mundial estima ser necessário para acabar com a fome no mundo.

— E poderíamos plantar um milhão de árvores por cada minuto gasto em armas nucleares — ressaltou.

🇧🇷 Redação com Radio Sampaio

Galeria de Imagens