Anadia/AL

21 de julho de 2024

Anadia/AL, 21 de julho de 2024

Execução de tesoureiro do PCC é novo capítulo de racha na facção

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 14 de março de 2024

pcc

Foto: Reprodução/Polícia Civil

Por Alfredo Henrique

Luís dos Santos Rocha, morto em um atentado em São Paulo nessa terça-feira (12/3), era conhecido no mundo do crime como “Luís Conta Dinheiro”. Ele cumpria pena por porte ilegal de arma de fogo desde 2019, quando a Polícia Militar encontrou no apartamento onde ele estava, na cidade de Atibaia, interior paulista, três armas, entre elas um fuzil, além de drogas.

Apontado como tesoureiro do Primeiro Comando da Capital (PCC) na região, na ocasião de sua prisão, Luís admitiu, segundo confirmado em sigilo por fontes policiais, que as armas eram “para sua segurança” – ele alegou que havia tido “um desentendimento no ‘partido’”, referindo-se à facção criminosa.

A morte de Luís dos Santos Rocha se soma à de outros dois integrantes do PCC ocorridas recentemente e entra na conta da guerra travada após um racha interno na facção criminosa.


Assassino desembarca empunhando fuzil  |  Reprodução câmara Monitoramento

No mesmo dia em que Luís foi executado, foi morto a tiros no Guarujá Cristiano Lopes da Costa, o Meia Folha. Ele foi apontado pela polícia como um dos líderes da facção criminosa no litoral paulista.

De acordo com o relato de uma testemunha, o autor se aproximou da lanchonete em uma moto e, sem descer do veículo, deu vários tiros na direção de Meia Folha. Um ex-vereador que estava no local levou seis tiros e está internado.

Outro atentado ocorreu no último dia 25, quando Donizete Apolinário da Silva foi executado a tiros em Mauá, na Grande São Paulo.

O homem, de 55 anos, era apontado como aliado do líder supremo do PCC, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, e integrante da chamada “Sintonia Final”, alta cúpula da facção.

O principal motivo para o atual racha na facção seria o vazamento de um diálogo entre Marcola e policiais penais federais, na Penitenciária Federal de Porto Velho (RO). Na ocasião, o líder do PCC afirmou que o número 2 na hierarquia da facção, Roberto Soriano, o Tiriça, era um “psicopata”.

A declaração foi usada por promotores durante o julgamento de Roberto Soriano. O criminoso, que cumpre pena atualmente na Penitenciária Federal de Brasília, junto a Marcola e outros líderes do PCC, foi condenado a 31 anos e 6 meses de prisão, em 2023, por ser o mandante do assassinato da psicóloga Melissa de Almeida Araújo.

Crime em Atibaia

Como mostrado pelo Metrópoles, Luís Conta Dinheiro foi fuzilado no momento em que chegava de carro em casa, após ser beneficiado com uma saída temporária, por volta das 17h de terça-feira em Atibaia.

Câmeras de monitoramento (assista abaixo) registraram a execução do tesoureiro do PCC.

As fontes policiais ainda afirmaram que Luís já havia sido alvo de outra tentativa de homicídio, quando voltava para o presídio, em janeiro deste ano, no retorno de outra saída temporária. Ele foi ferido de raspão.

O tesoureiro teria afirmado, após o atentado, que estava jurado de morte por ter “rachado” com membros da facção da capital paulista. Na ocasião, ele foi apontado como uma das lideranças do PCC na região, responsável pela contabilidade da facção.

Em janeiro do ano passado, o criminoso havia progredido para o regime semiaberto, que dá direito à “saidinha”, segundo registros do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).

O criminoso foi um dos 32.129 presos do regime semiaberto beneficiados, na terça-feira, com a saída temporária, de acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP).

Redação com Metrópoles

Galeria de Imagens