Anadia/AL

13 de julho de 2024

Anadia/AL, 13 de julho de 2024

Polícia faz buscas em mansão de socialite após calote e roubo de joias

A Polícia Civil cumpriu um mandado de busca e apreensão na mansão de Flávia Rocha | 19:17 hs

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 25 de junho de 2024

vv2

Reprodução/Instagram

A Polícia Civil cumpriu um mandado de busca e apreensão, na última quinta-feira (20/6), na mansão da socialite Flávia Rocha, no Itaim Bibi, bairro nobre da zona sul de São Paulo.

De acordo com o colunista Gabriel Perline, ela estava em posse de 93 itens da joalheria Dani Rigon, avaliadas em R$ 7 milhões, e se recusava a pagar e até mesmo de devolver os itens que subtraiu da empresa. Flávia também deve prestações de itens de compras anteriores, que chegam à casa de R$ 1 milhão.

Flávia é uma empresária do ramo da beleza e dona do Grupo Farmamake, que compreende as marcas Tracta, Frederika Make, Urban, Farmaervas, Face It, TB Make, Make e Mr And Miss Pet. Além disso, é parceira de negócios da influenciadora Bruna Tavares. Ela também é amiga próxima da socialite Val Marchiori.

A relação da socialite Flávia Rocha com a joalheria começou em 2019. Segundo Perline, ela fazia compras “comedidas”, parceladas em 12 prestações. A confiança entre as partes foi estabelecida ao longo do tempo, e as joias passaram a ser entregues à mulher em um esquema de consignação. Ou seja, Dani Rigon enviava seus acessórios à casa da cliente, ela analisava quais iria comprar e mandava devolver os itens que não lhe interessavam.

O problema teria começado quando, a partir de 2021, Flávia recebeu em sua casa um alto volume de joias e não devolveu mais. Além disso, não pagou pelos itens que subtraiu da marca.

As cobranças começaram a ser feitas por meio de telefonemas e mensagens no WhatsApp, mas a socialite passou a bloquear os números que a procuravam.

Foram quase três anos de conversas para que o caso fosse resolvido, até que a joalheria processou a socialite na esfera criminal, e a acusou de apropriação indébita – roubo.

Busca e apreensão

Um processo, protocolado em 3 de junho, solicitou a instauração de um inquérito policial para reaver os itens “roubados”. O mandado de busca e apreensão foi expedido pelo delegado Rodrigo Castro Salgado da Costa, em 12 de junho, de acordo com o colunista.

Na operação, os policiais não encontraram todas as joias relacionadas no mandado. Segundo Gabriel Perline, fontes contaram que a socialite alegou que os tais itens “desaparecidos” jamais estiveram em sua posse, acusando a joalheria de mentir em seu relatório.

Acontece que as mesmas joias que ela alegou nunca ter visto apareceram em fotos recentes postadas em suas redes sociais. Um dos itens não encontrados pela polícia foi o par “Brinco Solitário com Gia”, vendido pela marca sob o valor de R$ 189 mil. Os acessórios, no entanto, aparecem em uma publicação feita pela socialite no Instagram em 12 de maio deste ano.

Outra joia não encontrada na mansão de Flávia e que ela alegou “nunca ter visto” é o “Anel Esmeralda Extra Tsavorita e Diamantes”, avaliado em R$ 75.800, e que aparece na foto postada por ela no Instagram em 11 de setembro de 2023.

Redação com Gazeta Web

Galeria de Imagens