Anadia/AL

20 de junho de 2024

Anadia/AL, 20 de junho de 2024

Conflitos geraram recorde de 75 milhões de deslocados no mundo em 2023, alerta ONG

Os conflitos no Sudão, na Faixa de Gaza e na República Democrática do Congo (RDC) causaram um número recorde de pessoas deslocadas no interior de seus países. Até o final de 2023, 75,9 milhões de indivíduos estavam nesta situação no mundo, de acordo com relatório do Observatório de Deslocamentos Internos (IDMC, sigla em inglês) publicado nesta terça-feira (14), em Genebra.

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 14 de maio de 2024

cx

Pessoas em um campo de palestinos deslocados em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, na terça-feira, 30 de abril de 2024. © AFP

A quantidade de deslocados internos aumentou 50% nos últimos cinco anos, sublinha a ONG. Em 2022, 71,1 milhões de pessoas estavam em situação similar no mundo, um número já considerado bastante alto.

Ao contrário dos refugiados que fogem para se estabelecerem em outras nações, os deslocados internos são forçados a se mudar dentro de seu próprio país. As principais causas destas migrações são a violência e os conflitos (68,3 milhões), enquanto as catástrofes ambientais forçaram 7,7 milhões de pessoas a fugir para se instalar em outros lugares.

Nos últimos cinco anos, o número de pessoas deslocadas devido à violência e aos conflitos subiu em 22,6 milhões. Os dois maiores aumentos ocorreram em 2022 e 2023.

Com 9,1 milhões de deslocados internos, o Sudão tem o maior número de pessoas nesta situação já registrado em um único país desde 2008, quando o monitoramento começou, sublinhou a ONG. Quase metade dessas pessoas deslocadas vive na África Subsaariana, afirma o relatório.

“Nos últimos dois anos, temos visto um número alarmante de pessoas forçadas a fugir de suas casas devido a conflitos e à violência, mesmo em regiões onde a tendência estava melhorando”, disse Alexandra Bilak, diretora do IDMC. “Os conflitos e a devastação que deixam para trás impedem que milhões de pessoas reconstruam as suas vidas, muitas vezes durante anos”, acrescentou.

Deslocados e deslocamentos recordes

Além do número de pessoas deslocadas, a ONG também monitora o número de deslocamentos internos que essas pessoas realizam, ou seja, cada novo movimento forçado de habitantes dentro das fronteiras de seu próprio país.

Por exemplo, a ordem de evacuação que atinge certas partes de Rafah, a cidade no sul da Faixa de Gaza ameaçada por uma operação terrestre israelense em grande escala, já obrigou seus habitantes a se deslocarem mais de cinco vezes, indicou a ONU na semana passada. A ONU afirmou nesta terça-feira que “quase 450.000 habitantes de Gaza foram deslocados desde 6 de maio”.

Em 2023, foram registrados 46,9 milhões de movimentos forçados de pessoas: 20,5 milhões de deslocamentos internos devido a conflitos e à violência e 26,4 milhões devido a catástrofes.

Os conflitos no Sudão, na RDC e nos territórios palestinos foram responsáveis ​​por quase dois terços dos novos movimentos de pessoas induzidos por conflitos em 2023. Na Faixa de Gaza, 1,7 milhão de palestinos estavam deslocados internamente no final do ano passado, com 3,4 milhões de novos movimentos.

A guerra em Gaza começou em outubro, quando Israel iniciou uma campanha de bombardeios em retaliação ao ataque sem precedentes ao seu território por parte do movimento islâmico Hamas.

Ao longo de 2023, seis milhões de pessoas foram forçadas a sair do lugar onde viviam devido à violência no Sudão, mais do que nos 14 anos anteriores. Este é o segundo maior número de movimentos forçados num ano, depois dos 16,9 milhões registados na Ucrânia em 2022.

Catástrofes ambientais

Dos 26,4 milhões de deslocações forçadas devido a catástrofes, um terço ocorreu na China e na Turquia, devido a fenômenos meteorológicos severos e terremotos de grande escala.

“Nunca registramos tantas pessoas forçadas a abandonar suas casas e comunidades. Este é um veredicto contundente sobre as falhas na prevenção de conflitos e na promoção da paz”, disse o chefe do Conselho Norueguês para os Refugiados (NRC), Jan Egeland. A organização norueguesa criou o IDMC em 1998.

“O sofrimento e o deslocamento duram muito além do momento em que são notícia. Muitas vezes, o destino do deslocado é o silêncio e a negligência. A falta de proteção e assistência enfrentada por milhões de pessoas não pode continuar”, lamentou.

Fonte: RFI

Galeria de Imagens