Anadia/AL

18 de junho de 2024

Anadia/AL, 18 de junho de 2024

Conheça a história por trás dos envelopes misteriosos deixados em para-brisas de carros em Maceió

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 29 de maio de 2024

ert

Foto: Reprodução

Envelopes misteriosos deixados nos para-brisas de carros despertaram a curiosidade de muitos maceioenses, e nesta semana, as imagens viralizaram nas redes sociais com uma história que trouxe medo e insegurança para a população. Os boatos de que eles eram utilizados para golpes que envolviam até o uso de substâncias entorpecentes contra as supostas vítimas, proprietárias dos automóveis, ganharam o mundo da internet. O TNH1 esclarece agora se é fato ou fake.

As mensagens sobre golpes com os envelopes estão sendo compartilhadas no aplicativo WhatsApp e denunciam a suposta substância dentro deles. O áudio (veja a transcrição abaixo) alerta os maceioenses que a suposta droga estaria causando intoxicação nas pessoas que, por curiosidade, os abrem. A mensagem também traz que o curioso pode inalar a droga e desmaiar, e em seguida, ter o carro roubado pelo suposto criminoso.

“Se você vê isso na frente do seu carro, não pegue e não abra, há uma droga dentro com cheiro muito forte que deixa você tonta, você entra no carro e desmaia, e os caras roubam o seu carro. Todas as fotos são em Maceió, não é mito, é verdade. O cara curioso vai ver o que é, abre e pronto, se lasca”.

Porém, a história não é verdadeira. A Polícia Civil de Alagoas já confirmou que não há investigação em curso sobre o suposto golpe, não há pessoas vítimas que registraram boletins de ocorrência, e já identificou o homem que deixa os bilhetes nos vidros do carros e ele não comete nada de ilícito.

Crédito: Redes Sociais

Quem é o dono dos envelopes?

Quem é o dono dos envelopes?

O homem que espalha os envelopes em Maceió é um ex-empresário de Pernambuco, que veio para a capital alagoana para buscar ajuda financeira pois passa por necessidades, junto com os cinco filhos, depois de falência. O ex-empresário identificado como Albérico Alves de Lima explicou que já retornou para a cidade de origem, o município de Garanhuns, após ter o nome envolvido com a prática criminosa e lamenta o ocorrido.

Dentro do envelope, ele deixa uma carta e um lápis com a mensagem com pedido de ajuda. Ele afirmou ainda que o lápis (ou caneta, em outras oportunidades) é um gesto simbólico e que a doação fica por decisão de quem abrir o envelope, que também contém a chave Pix do ex-empresário.

“Isso deu um nó cego na minha vida e estou bem assustado com isso. Já até desisti desse trabalho por conta desse episódio. Para mim é uma questão de honra limpar meu nome. Tenho cinco filhos, poxa. Fizeram uma tempestade sem água. Era apenas um cidadão quebrado querendo vender um lápis”, destacou.

(Crédito: Redes Sociais)

“Desde outubro que ralo pelo mundo, passei muita fome inclusive. Agora eu vou lutar pela minha honra, nunca sofri uma injúria tão cruel”, complementou.

O ex-empresário destacou que as dificuldades financeiras fez ele tomar atitudes em desespero, mas que nunca se envolveu com algo ilegal. “Eu moro em Garanhuns e fui alguns dias pra Maceió. Tive um tempo em Caruaru, passei uma fome desgraçada. Perdi 12 quilos em 40 dias, com fome. E 70% desses envelopes eu perco, poi não retorna. É um trabalho árduo”.

Quem tiver o interesse em ajudar Albérico com algum tipo de doação pode entrar em contato com ele pelo número de telefone (87) 98171-5464. Já quem desejar doar quantia em dinheiro diretamente para o ex-empresário pode transferir via Pix para a chave (o mesmo número do telefone) 87981715464.

Fonte: TNH1

Galeria de Imagens