Anadia/AL

22 de junho de 2024

Anadia/AL, 22 de junho de 2024

Emprego na indústria de Alagoas avança 5,04% em 2023, aponta Caged

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 16 de fevereiro de 2024

emprego

Foto: Reprodução

Por Carlos Nealdo 

O emprego no setor industrial de Alagoas encerrou o ano de 2023 com um crescimento de 5,04%, na comparação com o ano anterior, segundo dados do novo Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O levantamento mostra que em 2023 foram criadas 3.982 vagas com carteira assinada na indústria. O saldo é a diferença entre as 35.847 contratações e dos 31.865 desligamentos no período.

Segundo o Caged, o volume de empregos gerados na indústria corresponde a 17% das 23.291 vagas com carteira assinada criadas no estado no ano passado. Por segmento, o setor de fabricação de produtos alimentícios registrou a maior alta na geração de empregos formais, com a abertura de 2.495 vagas. Atualmente, o setor conta com um estoque de 51.289 postos com carteira assinada.

Para a secretária de Estado do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Maria Alice Beltrão, O crescimento do emprego industrial é resultado do forte trabalho que o Estado vem realizando em várias frentes, como os incentivos fiscais e locacionais, investimentos em infraestrutura, com a duplicação das rodovias, por exemplo, além de segurança e educação.

“Estamos trabalhando para a oferta de cursos de formação e capacitação para os alagoanos, buscando atender às principais necessidades das empresas que estão se instalando no estado. Além disso, buscamos parcerias com as novas empresas, entre outras ações para a prospecção de novos negócios”, anunciou.

Em dezembro do ano passado, o Conselho Estadual do Desenvolvimento Econômico e Social (Conedes) da Secretaria de Estado do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (Sedics) aprovou incentivos fiscais para nove empresas, por meio do Programa de Desenvolvimento Integrado do Estado (Prodesin). Juntos, os empreendimentos injetam R$ 29,8 milhões na economia alagoana.

Criado pela Lei Estadual nº 5.671, de 1º de fevereiro de 1995, o Prodesin tem como objetivo promover o desenvolvimento econômico do estado, atraindo novos investimentos e estimulando a expansão de empresas já instaladas e, consequentemente, gerando novos postos de trabalho.

Em 2016, o programa se modernizou e passou a oferecer redução de 92% no pagamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na saída dos produtos industrializados. Ganharam também diferimento do ICMS os bens destinados ao ativo fixo, a matéria-prima utilizada na fabricação de produtos e na aquisição interna de energia elétrica e gás natural.


AQUECIMENTO
A consequência disso é traduzida em movimentação econômica no estado, como mostra boletim divulgado na quinta-feira (15), pela Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (Fiea) tomando como base o mês de outubro de 2023. Segundo o documento – elaborado pelo Núcleo de Inovação e Pesquisa da Fiea e Instituto Euvaldo Lodi (IEL) -, a venda industrial avançou 19,32% na comparação com setembro de 2023, incluindo os resultados do setor sucroenergético.

“O aumento representou um maior dinamismo dos setores com maior representatividade na indústria e adere à projeção de crescimento do PIB no estado de Alagoas com quase 7% de crescimento em 2023, o maior entre os estados nordestinos, segundo estimativa do Banco do Nordeste”, diz o documento.

Na análise setorial, os gêneros industriais que apresentaram os acréscimos significativos de vendas em outubro foram as indústrias da Construção Civil (3,34%), com recuperação das vendas após queda de -17,06% em setembro; de Produtos de Matérias Plásticas e Borrachas com (0,84%); de Sucroenergético (66,94%); e Química (15,04%) em decorrência da formação de estoques do mês anterior. O único decréscimo foi verificado em Papel, Papelão e Celulose, com -11,61%, por conta da redução de demanda e cancelamentos de pedidos.

De acordo com o relatório, o índice Utilização da Capacidade Instalada apresentou elevação em outubro de 2023, na comparação com setembro, registrando um aumento de 15%. Enquanto isso, o nível do Custo das Operações Industriais (COI) apresentou alta de 27,21% frente ao mês anterior. Mesmo com a maior parte de setores em alta, a maior influência veio da alta de 125,28% da produção do setor sucroenergético.

INVESTIMENTOS

O cenário favorável criado pelo Estado é traduzido no volume de recursos movimentados pelas empresas em Alagoas. Levantamento divulgado na quinta-feira (15), pelo Banco do Nordeste, revela que o setor produtivo local contratou R$ 3,713 bilhões em crédito no ano passado. O montante – fruto das 167.460 operações de crédito – representa incremento de 134% em relação ao que foi financiado em 2022.

Segundo o banco, do total, R$ 3,18 bilhões foram contratados com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), crédito de investimento de longo prazo operacionalizado pelo BNB na região. O valor é quase três vezes o financiado em 2022, com a mesma fonte, em Alagoas.

Para o governador Paulo Dantas, os números positivos registrados em Alagoas são fruto de um trabalho de desenvolvimento, planejado e executado pelo Governo do Estado. “Criamos ambiente favorável à vinda de nossas empresas e estamos empenhados na atração de investimentos, porque acreditamos que não há ferramenta mais poderosa para o combate à pobreza do que a geração de emprego e renda”, destacou.

Redação com Agência Alagoas

Galeria de Imagens