Anadia/AL

22 de junho de 2024

Anadia/AL, 22 de junho de 2024

Engenheiro que montou minas vai à CPI da Braskem

Conhecido como 'Paulo Sucata', ele diz que só fala com autorização da empresa por conta do contrato na área de perfuração de poços | 15:05 hs

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 13 de abril de 2024

vv1

Foto: Edilson Omena / Arquivo

Por: Ricardo Rodrigues

Conhecido como “Paulo Sucata”, o engenheiro de minas Paulo Roberto Cabral de Melo, será ouvido pela CPI da Braskem, para explicar por que a extração de sal-gema provocou o afundamento do solo de pelo menos cinco bairros de Maceió: Pinheiro, Bebedouro, Mutange, Bom Parto e Farol. O depoimento dele foi solicitado pelo relator da CPI, senador Rogério Carvalho (PT-SE), por meio do requerimento 00091/2024, aprovado no dia 13 de março, mas falta marcar a data da oitiva.

Na justificativa, o relatou argumenta que a inquirição do engenheiro é de suma importância para que os integrantes da Comissão possam entender como se deu a implantação das 35 minas de sal-gema na capital alagoana. Paulo Cabral foi o gerente geral da Planta de Mineração da Salgema no período de 1976 a 1997. Além disso, mais recentemente, ele atuou como consultor da Braskem, por meio da empresa Consalt Consultoria Mineral, da qual é sócio-diretor até a presente data.

Segundo o senador Rogério Carvalho, o engenheiro teve atuação destacada na implantação da planta de mineração de sal-gema, explorada até 2019 pela Braskem. Portanto, o depoimento dele é de fundamental importância para o entendimento da tragédia, que provocou a desocupação de 15 mil imóveis e afetou a vida de mais de 60 mil pessoas, em Maceió. “Ademais, Paulo Cabral é apontado pela Polícia Federal como suspeito por sua atuação na qualidade de responsável técnico da mineração”, acrescentou.

De acordo com o relator Rogério Carvalho, durante a Operação da PF, Paulo Cabral foi alvo de mandados de busca e apreensão, em endereços dele, na capital alagoana. Também foram alvo dessa ação, realizada no dia 21 de dezembro de 2023, o diretor industrial da Braskem, Álvaro César Oliveira de Almeida; os gerentes de produção Marco Aurélio Cabral Campelo, Paulo Márcio Tibana e Galileu Moraes, além do responsável técnico da parte operacional Alex Cardoso da Silva.

A reportagem da Tribuna entrou em contato com Paulo Cabral, para ouvi-lo acerca das denúncias de negligência que recebeu contra ele, mas o engenheiro não quis conceder entrevista, alegando que por questões contratuais estava impedido de falar sobre o Caso Braskem. “Considerando que tenho contrato de consultoria na área de perfuração de poços de remediação desativados na área da mineração, só poderei dar entrevista autorizado pela Braskem”, argumento Cabral.

A assessoria de comunicação da Braskem em Maceió foi procurada, mas não autorizou a entrevista do seu colaborador. A empresa também não quis responder porque Paulo Cabral foi alvo da operação da PF. De acordo com a assessoria de comunicação da Federal, todos os alvos de buscas e apreensão dessa operação tiveram a quebra de sigilo telemático quebrado, por meio do qual a PF poderá rastrear conversas por aplicativos de mensagens e por e-mail.

SUSPEITAS

A operação da PF foi deflagrada depois que os investigadores encontram indícios de que as atividades da Braskem na capital alagoana não seguiram os parâmetros de segurança previstos. Além disso, há suspeita de apresentação de dados falsos e de que informações foram omitidas dos órgãos de fiscalização, o que permitiu as atividades continuarem mesmo quando as minas já apresentavam problemas de estabilidade.

O engenheiro Paulo Cabral e os demais suspeitos podem responder pelos crimes de poluição qualificada, usurpação de recursos da União, apresentação de estudos ambientais falsos ou enganosos, inclusive por omissão, entre outros delitos.

DENÚNCIA

No final do ano passado, o senador Renan Calheiros (MDB), recebeu uma denúncia, por meio de carta anônima, contra Paulo Cabral, mas não deu divulgação ao documento, até porque foi preterido na indicação para relatoria da CPI. No entanto, uma cópia dessa denúncia foi encaminhada também à redação da Tribuna. No documento, de apenas uma página, o autor começa dizendo que quando desaba um prédio e primeiro a ser investigado é o engenheiro responsável pela obra.

“No caso das minas da Braskem, o responsável técnico pela exploração, operação e pelos projetos (se é que existiram) era o engenheiro Paulo Roberto Cabral, embora o nome dele seja desconhecido da mídia”, afirmou o autor da denúncia. Segundo ele, apesar dos erros cometidos pelo engenheiro (principalmente na manutenção e monitoramento das minas), não consta que ele tenha recebido alguma punição do Conselheiro Regional de Engenharia e Agronomia em Alagoas (CREA/AL).

No entanto, seria bom que o Conselho apresentasse as ARTs – Anotações de Responsabilidade Técnica (documento hábil para a operação e exploração do sal-gema) da Braskem e do seu gerente-geral de mineração.

Denúncia diz que engenheiro usava tubos de aço de ferro-velho nos poços

Segundo o denunciante, Paulo Cabral era o responsável por toda a operacionalização das minas, chamada de campo de salmoura.

“Ele se achava o maior especialista do mundo no que chamava de lavra subterrânea por dissolução. Por isso, senador, seria interessante investigar por que esse engenheiro usava tubos de aço usados nos poços, comprados no ferro velho, que a Petrobras vendia como sucata, tanto que ele era conhecido pelos colegas da Braskem como Paulo Sucateiro, ou Paulo Sucata”, relatou o denunciante.

Para comprovar essa denúncia, ele sugere pedir as notas fiscais dos tubos que a Braskem adquiriu para usar nas minas e afirma que “uma simples auditoria na Braskem confirmará isto”.

De acordo com o denunciante, a exploração desenfreada e sem nenhum critério, comandada pelo engenheiro Paulo Cabral, terminou resultado nas rachaduras dos imóveis do Pinheiro e no afundamento do solo dos demais bairros atingidos pela mineração.

“Ele [Paulo Cabral] abandonou as minas sem nenhum monitoramento; isto está dito nos relatórios da CPRM, inclusive com fotos provando esse desleixo”, acrescentou o denunciante.

“Resumindo, esse engenheiro incompetente já deveria estar na cadeia desde 2018, mas está rindo à toa e de todos, pois ganhou muito dinheiro com isso e continua impune até hoje”, finalizou o denunciante, acrescentando que houve conivência da Agência Nacional de Mineração (ANM) e dos demais órgãos de fiscalização ambiental, no abandono das minas e dos equipamentos de mineração em Maceió.

Como prova, ele citou a omissão do antigo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), que consentiu as operações de mineração, ao longo de mais de 40 anos, em Maceió, sem cobrar da mineradora um plano de fechamento de mina, toda vez que um poço fosse desativado ou fechado.

“O plano de fechamento de mina foi realizado depois de 2018, quando correram os abalos sísmicos iniciais. Por isso, essa CPI precisa investigar tudo isto, senador”, concluiu o autor da denúncia, encaminhada por carta ao senador Renan Calheiros.

“Paulo Sucata” passou a atuar como consultor da Braskem em 2007

Paulo Roberto Cabral de Melo, mais conhecido como “Paulo Sucata”, possui graduação em Engenharia de Minas pela Universidade Federal de Pernambuco (1973). Ele tem experiência na área de Engenharia de Minas, com ênfase em mineração por dissolução subterrânea de sais evaporíticos. Iniciou após sua graduação na Samitri Mineração da Trindade (Belgo Mineira), em fevereiro 74 e até julho 1976 era responsável pela extração de minério de ferro na mina de Corrego do Meio em Sabará.

Através da Pontíficia Universidade Católica de Minas Gerais em Belo Horizonte fez Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho concluído em 1975. No período de 1976 a 1997, ele exerceu o cargo de gerente-geral da Planta de Mineração da Salgema (hoje Braskem), em Maceió, produzindo sal-gema para a sua Planta Química, quem fica na fábrica da petroquímica, no bairro do Pontal da Barra, entre o mar e a Lagoa Mundaú.

Em 2007, Paulo Cabral passou a atuar como consultor para a Braskem, através de sua empresa Consalt Consultoria Mineral Ltda, onde é sócio-diretor até o presente. Além da Braskem, ele prestou consultoria para diversas empresas dentre as quais, Vale (projeto Carnalita), Bunge, Brinsa (Colômbia), Forbes Manhattan (Canadá), Soros (associado à Geopex).

O engenheiro possui trabalho publicado sobre Halita na 2ª edição do Manual Rochas & Minerais Industriais (Cetem). Ele proferiu palestras no país em universidades e encontros profissionais do Conselho Federal de Engenharia (Confea) e em Simpósios de Mineração, bem como no exterior, na Politécnica de Barcelona, Universidades do Chile. Foi conselheiro do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Alagoas (CREA/AL) e atualmente é diretor da Federação das Associações de Engenheiros de Minas (FAEMI).

*Redação com Tribuna Hoje

Galeria de Imagens