Anadia/AL

13 de julho de 2024

Anadia/AL, 13 de julho de 2024

Fernanda Melchionna humilha Júlia Zanatta em debate sobre “PL do estupro”

A deputada federal do PSOL deixou a bolsonarista constrangida e sem reação ao desmontar Projeto de Lei que equipara aborto ao homicídio.

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 15 de junho de 2024

Politica

Melchionna humilha Júia Zanatta em debate sobre "PL do estupro". Créditos: Reprodução redes sociais

Por Marcelo Hailer

A deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL-RS) humilhou a bolsonarista Júlia Zanatta (PL-SC) durante debate sobre o “PL do estupro” (PL 1904/24) ao apresentar uma série de argumentos e dados que desmontam as teses defensoras de tal matéria, deixando a parlamentar da extrema direita completamente sem reação.

Em determinado momento do debate, Júlia Zanatta começou a vociferar os típicos argumentos dos defensores do “PL do estupro”, que visa equiparar o aborto após a 22ª semana ao homicídio, com pena de 20 anos de cadeia, duas vezes maior do que a prevista para estupradores.

“Não tem nada de PL do estuprador, isso é uma mentira. Essas pessoas estão divulgando isso aí, querem aborto até nove meses. Querem o assassinato de bebês como se fosse um açougue”, declarou Júlia Zanatta.

O que se vê a seguir, com a resposta de Fernanda Melchionna, é uma completa humilhação, como raras vezes se vê em um debate televisivo, neste caso, promovido pela CNN Brasil nesta sexta-feira (14).

“De fake news a Júlia Zanatta e a extrema direita defendem, aliás são sempre contra criminalizar as fake news. Aliás, cometeu outra aqui. Júlia, eu estou grávida e estou muito feliz com a minha gravidez. Eu escolhi ser grávida e felizmente não fui vítima de estupro, não fui vítima de violência, não estou em uma situação desesperada no sentido de várias condicionantes da vida”, iniciou Fernanda Melchionna.

Em seguida, a deputada do PSOL desmonta a tese propagada por Júlia Zanatta e seus pares de que o objetivo é legalizar o aborto em todas as circunstâncias. “Ninguém defende o aborto até os nove meses e, ao mesmo tempo, o que se defende, não nessa lei, mas na sociedade, é tratar o tema do aborto como um tema de saúde pública e não como uma hipocrisia.”

“Nós não estamos debatendo a descriminalização do aborto, nós estamos debatendo a criminalização de vítimas do estupro, porque vocês colocam no projeto viabilidade fetal e vinte e duas semanas e pena de vinte anos, Júlia, para as meninas, para as mulheres e para os médicos e médicas. É a tentativa de criminalizar as mulheres e as meninas que já foram vítimas, e os médicos, impondo uma pena maior do que a pena do estuprador”, disparou Fernanda Melchionna.

Redação com Revista Fórum

Galeria de Imagens