Anadia/AL

13 de julho de 2024

Anadia/AL, 13 de julho de 2024

FMI anuncia desembolso para Argentina em meio ajuste fiscal às custas do povo

Apesar da receita não ter vingado em lugar algum, o FMI insiste que medidas neoliberais são a melhor maneira de “desbloquear o crescimento, o emprego formal e o investimento”.

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 14 de junho de 2024

Geral 1

O presidente Javier Milei, junto a jornalistas na Casa Rosada. Foto: Presidencia argentina

Por Cezar Xavier

O Conselho de Administração do Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou a revisão das metas da Argentina, liberando um desembolso de cerca de 800 milhões de dólares. Esse montante é recebido com alívio pelo ministro da Economia, Luis Caputo, que precisava de recursos frescos até que a tão prometida chuva de dólares da colheita chegue. O Fundo ressaltou a importância de “melhorar a qualidade do ajuste fiscal” – como um indicativo de que a população não deve arcar com os custos, como prevê a maioria das medidas – enquanto reiterou que medidas neoliberais são a melhor maneira de “desbloquear o crescimento, o emprego formal e o investimento”.

Tanto diante da decisão da Câmara dos Deputados de impor uma nova fórmula para o aumento das pensões – que ainda precisa ser ratificada pelo Senado – quanto diante do preocupante aumento do risco do país, Milei se concentrou em dar todos os tipos de sinais de que sua decisão de garantir equilíbrio fiscal, a qualquer custo, não será modificada. Ele deve vetar o reajuste das aposentadorias, veto que deve cair. Como antecipou o presidente – os recursos para financiar esse complemento de aumento previdenciário virão de um ajuste maior da política “até doer”.

A aprovação do desembolso pelo FMI e a resposta positiva do mercado são sinais encorajadores para a Argentina. O Governo espera que este dinheiro os ajude a cumprir a promessa de “sair da armadilha cambial”. No entanto, os desafios econômicos e sociais persistem, e o governo Javier Milei acredita que a eficácia das medidas futuras dependerá da capacidade do governo de implementar reformas estruturais e de ajustar políticas fiscais que garantam alguma capacidade de consumo do argentino.

A aprovação da 8ª revisão do Programa de Facilidades Estendidas com a Argentina autoriza o desembolso de 600 milhões de Direitos Especiais de Saque (DSE), equivalentes a cerca de 790 milhões de dólares. Esse valor é superior à próxima amortização ao FMI, prevista para julho de 2024, no montante de aproximadamente 645 milhões de dólares. Esse pagamento será o último do programa atual, que expira em novembro de 2024. Após isso, a Argentina não terá mais vencimentos de amortização de principal com o FMI até setembro de 2026.

A decisão do FMI se dá num contexto de superação das metas quantitativas da 7ª revisão do Programa, incluindo a acumulação de Reservas Internacionais líquidas do Banco Central da República Argentina (BCRA), equilíbrio fiscal do Setor Público e financiamento monetário da Tesouraria. O comunicado oficial menciona a intenção do BCRA de avançar na liberação dos controles cambiais e na maior flexibilidade cambial, contanto que essas medidas não coloquem em risco a redução da inflação e o fortalecimento do balanço.

Impactos no mercado financeiro

Após a aprovação da revisão pelo FMI, o mercado financeiro argentino reagiu positivamente. O dólar ilegal encerrou em 1.245 pesos, com queda de 40 pesos, e o Banco Central comprou quase 140 milhões de dólares no mercado de câmbio – a maior compra do mês. As ações e os títulos soberanos dispararam, o risco-país caiu e houve uma diminuição nos dólares financeiros e no mercado paralelo (dólar azul).

Alguns títulos soberanos em moeda estrangeira subiram mais de 5% durante o dia, e o risco-país caiu para perto de 1.400 pontos. As ações financeiras e energéticas marcaram uma recuperação significativa, com empresas como a Supervielle subindo quase 9% em Nova Iorque. O dólar negociado na bolsa também caiu, com o caixa de liquidação em 1.276 pesos (queda de 1,9%) e o dólar MEP em 1.245 pesos (queda de 2,6%).

Perspectivas econômicas e políticas

Luis Caputo está otimista com a perspectiva de levantar os controles cambiais após a chegada dos novos fundos do FMI. Ele revelou que um novo acordo está sendo negociado com o organismo internacional. No entanto, analistas são céticos quanto à rapidez desse desembolso adicional.

O governo espera receber quase 8 bilhões de dólares do FMI, além de outros bilhões de instituições multilaterais, para reforçar as reservas e avançar no programa de unificação cambial. O mercado especula um retorno ao carry trade, apostando em ativos em pesos e taxas de juros.

Apesar dos sinais positivos, a Argentina enfrenta desafios macroeconômicos e uma escassez de reservas. A inflação de maio foi de 4,2%, abaixo das expectativas de 5%. O governo vê isso como uma boa notícia, embora ainda enfrente reveses como a queda no consumo, atividade econômica e a alta taxa de pobreza.

O primeiro revés é representado pelos, para muitos, indicadores dramáticos sobre queda no consumo e na atividade econômica. Uma segunda derrota, que apesar de previsível, não deixa de ser preocupante, é a projeção divulgada pelo Observatório da Dívida Social da Universidade Católica Argentina , que estima em 55,5% a proporção de argentinos abaixo da linha da pobreza e em um 17,5% de indigência.
Como terceiro revés, podemos ver o acordo entre diferentes forças de oposição na Câmara dos Deputados , onde nada menos que 160 legisladores do Kirchnerismo, do radicalismo, dos Hacemos e da Coalizão Cívica, entre outros setores, se reuniram para aprovar uma nova fórmula de mobilidade para benefícios de aposentadoria, o que implicaria um esforço adicional para os cofres do Estado nacional.
Por último, os dados que mais preocupam os operadores económicos: o aumento do risco país, que ontem estava localizado bem próximo ao1600 pontos base, quando em 15 de maio era às 12h32.

O presidente Javier Milei está consciente dos desafios à frente e confiante de que a situação será ajustada em breve. Esta semana foi crucial com o Senado aprovando a Lei Básica e o pacote fiscal, e a divulgação do índice de preços ao consumidor de maio. Milei espera que a inflação abaixo de 5% e a aprovação legislativa sejam vitórias para o governo.

Redação com Vermelho

Galeria de Imagens