Anadia/AL

13 de julho de 2024

Anadia/AL, 13 de julho de 2024

Fundo eleitoral: PF faz operação para prender 7 por desvio de R$ 36 mi

Entre os alvos da PF, está o presidente do Solidariedade, Eurípedes Júnior. Investigação aponta lavagem de dinheiro e uso de laranjas

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 12 de junho de 2024

feder

Uma denúncia feita por um ex-dirigente do Partido Republicano da Ordem Social (Pros), hoje integrado ao Solidariedade, contra outro cabeça da sigla deu origem a uma investigação da Polícia Federal que culminou na Operação Fundo do Poço. O principal investigado é o atual presidente do Solidariedade, Eurípedes Júnior.

Agentes da PF saíram às ruas nesta quarta-feira (12/6) para “desarticular organização criminosa responsável por desviar e se apropriar de recursos do fundo partidário e eleitoral nas eleições de 2022, destinados a um partido político”, segundo a corporação.

Ex-dirigentes do partido teriam desviado aproximadamente R$ 36 milhões.

Sete mandados de prisão preventiva e 45 de busca e apreensão em Goiás, em São Paulo e no Distrito Federal estão sendo cumpridos. Um deles é contra Eurípedes Júnior. Ele ainda não foi encontrado e, por isso, é considerado foragido.

Outros três tiveram os nomes confirmados e foram presos:

  • Cintia Lourenço da Silva, tesoureira do Solidariedade
  • Alessandro Sousa da Silva, conhecido como Sandro do Pros
  • Berinaldo da Ponte, ex-deputado distrital

Além disso, há bloqueio e indisponibilidade de R$ 36 milhões e sequestro judicial de 33 imóveis, de acordo com a PF, deferidos pela Justiça Eleitoral do DF.

PF aponta lavagem de dinheiro e candidatos laranjas

A PF informa que teve indícios da existência de uma organização criminosa “estruturalmente ordenada” com a análise de Relatórios de Inteligência Financeira e da prestações de contas de supostos candidatos.

O grupo desviava recursos do Fundo Partidário e Eleitoral e se apropriava deles, “utilizando-se de candidaturas laranjas ao redor do país, de superfaturamento de serviços de consultoria jurídica e desvio de recursos partidários destinados à Fundação de Ordem Social (FOS) – fundação do partido”.

A lavagem de dinheiro seria feita por meio de empresas de fachada, compra de imóveis, também por laranjas, e superfaturamento de serviços prestados aos candidatos falsos e ao próprio partido.

“Os envolvidos estão sendo investigados pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, furto qualificado, apropriação indébita, falsidade ideológica eleitoral e apropriação de recursos destinados ao financiamento eleitoral”, completa a PF.

Solidariedade

Em nota, a assessoria do Solidariedade afirmou ao Metrópoles que “esses são fatos ocorridos antes da união do Pros com o Solidariedade. Estamos tomando pé da situação e ainda não temos uma posição sobre os fatos”.

Fonte: Metrópoles

Galeria de Imagens