Anadia/AL

22 de junho de 2024

Anadia/AL, 22 de junho de 2024

Indícios mostram que Braga Netto atuou na coordenação, mobilização e captação de recursos para o 8/1

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 18 de março de 2024

Braga Neto

Braga Netto (Foto: Isac Nóbrega/PR)

PUBLICIDADE

Os depoimentos dos ex-comandantes da Aeronáutica e do Exército, general Marco Antônio Freire Gomes e o brigadeiro Carlos Almeida Baptista Júnior, respectivamente, trouxeram detalhes sobre os bastidores da trama golpista que ajudaram a complicar a situação de Jair Bolsonaro (PL), mas, para a Polícia Federal, o alvo que mais interessa agora não é o ex-presidente. O foco, segundo a coluna da jornalista Malu Gaspar, de O Globo, está dirigido ao general Walter Braga Neto, que foi candidato a vice na chapa encabeçada pelo ex-mandatário.

Os investigadores consideram que a atuação de Bolsonaro no caso está esclarecida, mas há indícios de que Braga Neto desempenhou um papel fundamental na coordenação, mobilização e captação de recursos para os ataques que resultaram na invasão e depredação das sedes dos Três Poderes, em Brasília, no dia 8 de janeiro do ano passado.

Segundo a reportagem, embora o inquérito que investiga a trama golpista não deva esclarecer completamente o roteiro do 8 de janeiro, incluindo planejamento, liderança e financiamento, vários elementos serão transferidos para outro inquérito relacionado às milícias digitais, conduzido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Uma troca de mensagens datada de 27 de dezembro de 2022, entre Braga Neto e um assessor de Bolsonaro, Sérgio Rocha Cordeiro, levantou suspeitas. Nessa comunicação, Braga Neto é questionado sobre o envio do currículo de uma mulher para um cargo no governo. “Faltavam três dias para a posse de Lula, que já tinha sido inclusive diplomado pelo Tribunal Superior Eleitoral, mas Braga Netto respondeu: “’se continuarmos, poderia enviar para a Sec. Geral. Fora isso vai ser foda’”.

Ainda conforme a reportagem, “para a PF, a mensagem é um sinal de que ” os investigados ainda estavam empreendendo esforços para tentar um Golpe de Estado e acreditavam na consumação do ato, impedindo a posse do governo legitimamente eleito”.

Além disso, evidências sugerem que Braga Neto estava envolvido na coordenação das milícias digitais, responsáveis por mobilizar apoiadores de Bolsonaro para os eventos que culminaram no dia 8 de janeiro. A PF observa que, após a perda de gabinetes na Esplanada dos Ministérios, os líderes golpistas se tornaram mais dependentes das redes de mensagens, como WhatsApp e Telegram.

Outros indícios, ainda não divulgados, estão sendo investigados, incluindo informações contidas no computador apreendido de Braga Neto na sede do PL. A PF espera encontrar evidências de que o general, ex-ministro da Defesa e da Casa Civil, também estava envolvido na captação de recursos para o golpe.

Redação com Brasil 247

PUBLICIDADE

Galeria de Imagens