Anadia/AL

22 de julho de 2024

Anadia/AL, 22 de julho de 2024

Jogo do Tigrinho: polícia apreende R$ 38 milhões em bens e mira outros influenciadores

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 17 de junho de 2024

bfff

Foto: Reprodução

Em entrevista coletiva realizada nesta segunda-feira, 17, delegados da Polícia Civil de Alagoas revelaram que mais de R$ 38 milhões em bens foram apreendidos na operação ‘Game Over’. Segundo os delegados, pelo menos quatro influenciadores alagoanos foram alvo da primeira fase da operação, mas outros ‘influencers’ estão na mira da corporação que apura o ‘Fortune Tiger’, mais conhecido como ‘Jogo do Tigrinho’, em que diversas pessoas foram vítimas de estelionato, depois de publicidades pagas a influenciadores digitais que promovem a plataforma.

 Os mandados foram cumpridos desde a última sexta-feira, 14, nos bairros do Poço, Serraria, Jatiúca, Ouro Preto, Pajuçara e na cidade de Marechal Deodoro.

“A Polícia Civil continua em diligências, ampliando a investigação para poder identificar e responsabilizar todos os influenciadores do estado que têm se valido dessa fraude para poder auferir renda e vantagens em detrimento da população mais necessitada. A investigação e operação não acabam hoje. A apreensão de bens supera a casa dos R$ 38 milhões. São valores muito altos em poder de poucos influenciadores e que certamente são retirados da população, que está viciada no jogo e perdendo seu patrimônio para que esses influenciadores enriqueçam. Alguns deles não vivem obviamente, não só auferem alguma vantagem com esse jogo, mas também utilizam desse jogo. Esses influenciadores também vão ser responsabilizados. A PC está ciente de alguns influenciadores que têm ocultado patrimônio e fugido da aplicação da lei. Certamente medidas mais drásticas e enérgicas serão adotadas nos próximos dias para que esses influenciadores sejam localizados e responsabilizados”, afirmou o delegado-geral Adjunto, Eduardo Mero.

Não foram divulgados os nomes dos envolvidos, mas nas redes sociais na última sexta-feira, 14, a influencer alagoana Verolayne, que acumula mais de 1 milhão de seguidores, chegou a falar sobre a operação, mostrando que teve o apartamento revirado pela Polícia. O delegado Lucimério Campos informou que as contas foram derrubadas das redes sociais.

“Essas pessoas vivem de um engajamento para um mundo irreal. Mundo onde eles lançam informações inverídicas, independentemente do que está acontecendo. A operação é séria, combate uma prática que tem trazido prejuízo à sociedade, não só financeiro mas também tirado muitas vidas, há relatos nacionalmente de pessoas que estão se suicidando por causa desses jogos. Mas para essas pessoas que vivem no mundo da aparência, nesse mundo virtual, isso é apenas um mero acaso. A gente está acompanhando essas postagens, as influenciadoras que são alvos da investigação, inclusive, saíram do país para fugir dela. Vão ser responsabilizados. Esse tipo de atitude só confirma que essas pessoas pensam somente em si e que estão levando a situação da sociedade e os órgãos de Justiça Criminal como deboche. Merecem todas as ações”, comentou Campos.

Lucimério Campos detalhou que 12 pessoas são alvos da investigação nesse primeiro momento, mas que o número de nomes presentes na apuração geral chega a 40.

“Na primeira etapa, nós tínhamos os quatro influenciadores que praticamente iniciaram essa prática aqui no estado. Depois, mais influenciadores entraram nessa prática, são 40 nomes que estão sendo trabalhados. São quatro influenciadores que têm nos seus assessores também pessoas que fazem a prática. O influenciador mais robusto, com mais seguidores, e também os assessores deles que também fazem. Se considerarmos esses assessores e os influenciadores, ao todo foram 12 alvos. Como todos sabem, existem outros, inclusive alguns até bem conhecidos aqui no estado, que estão praticando agora o jogo do tigrinho e outras práticas ilícitas. Esses também estão sendo observados. A investigação não se encerra na primeira fase”, complementou o delegado.

Lucimério Campos pediu ainda que as pessoas que tenham sido lesadas nestes casos procurem a polícia para registrar Boletim de Ocorrência.

“A sociedade se vicia e passa a praticar o jogo. Muita gente se sente envergonhada até de trazer o registro para a polícia. Ouvimos algumas vítimas, muitas delas envergonhadas, passam a ficar viciadas e acham que a culpa é delas. Quero deixar claro que a PC entende que as pessoas que estão jogando são vítimas desses influenciadores, desses propagandistas. Não se sintam desconfortáveis em procurar qualquer delegacia de polícia ou até a Delegacia Virtual para produzir o Boletim de Ocorrência, porque isso vai robustecer a investigação e fazer com que os bloqueios desses patrimônios possam até ser revertidos em favor delas, para que consigam de volta”.

Fonte: TNH1

Galeria de Imagens