Anadia/AL

22 de junho de 2024

Anadia/AL, 22 de junho de 2024

“Michael Shellenberger não tem o direito de mentir sem consequências”, diz sindicalista americana

Em entrevista exclusiva, a sindicalista americana Maya Morris chama Michael Shellenberger de "um conhecido disseminador de desinformação" | 15:16 hs

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 14 de abril de 2024

vv1

(Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

Por: Brian Mier

A maioria dos brasileiros nunca tinha ouvido falar de Michael Shellenberger até a semana passada, quando ele manipulou comunicações internas que Elon Musk lhe havia fornecido para falsamente afirmar que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes havia ameaçado apresentar acusações criminais contra o Twitter Brasil por não fornecer informações pessoais sobre usuários por motivos políticos. Na verdade, as únicas acusações feitas contra o Twitter Brasil durante o período dos chamados “Arquivos do Twitter-Brasil” foram feitas pelo GAECO, a unidade de combate ao crime organizado do Ministério Público de São Paulo, depois que a empresa não forneceu dados de usuários de um membro do PCC. Para saber mais sobre Michael Shellenberger e como ele trabalha, entrei em contato com uma líder sindical de sua cidade natal, San Francisco, Califórnia, que tem acompanhado sua carreira há anos. Maya Morris é ex-vice-presidente do SEIU United Healthcare Workers West, o segundo maior sindicato de trabalhadores da saúde nos Estados Unidos – um sindicato que teve que combater uma das campanhas de desinformação de Shellenberger sobre saúde pública.

Maya Morris: Um dos meus antigos representantes sindicais e amigo, um cara chamado Leighton Woodhouse, foi trabalhar na segunda campanha para o cargo de governador do estado da Califórnia fracassada de Shellenberger, e então eles começaram um blog conjunto na Substack. Então, comecei a segui-lo, observando o que acontecia com meu amigo e tentando entender o que estava acontecendo com a virada reacionária que temos visto em São Francisco.

Brian: Imagine que você está falando para uma audiência no Brasil que nunca tinha ouvido falar de Michael Shellenberger até alguns dias atrás. O que você diria sobre ele?

Brian: Então, essencialmente, ele é uma pessoa que se dedica à desinformação através de relações públicas?

Maya: Ele se apresenta como jornalista. Seu financiamento é opaco, mas acredita-se que seja financiado por bilionários. Ele trabalha com grupos de extrema direita como a Texas Public Policy Foundation, que tem muitas conexões com bilionários do setor de combustíveis fósseis. Ele trabalha com o Discovery Institute, que é um think tank cristão e criacionista que se opõe à teoria da evolução de Darwin. Ele trabalha com um think tank de direita libertário aqui em São Francisco chamado Independent Institute. Então, parte do problema que temos é que se ele estivesse apresentando isso como relações públicas, acho que teríamos menos objeção, mas ele o apresenta como jornalismo.

Brian: Você pode dar um exemplo de uma campanha de desinformação que ele realizou nos últimos anos?

Maya: Claro. Ele começou com uma campanha pró-energia nuclear onde atacou o movimento ambientalista e fez lobby por mais energia nuclear nos Estados Unidos. Ele fez lobby por mais financiamento para energia nuclear aqui na Califórnia e especificamente trabalhou para salvar um reator nuclear chamado Diablo Canyon, que foi construído em uma falha sísmica. Em seguida, ele se envolveu em uma campanha anti-sem-teto onde trabalha para criminalizar a população em situação de rua, especialmente em São Francisco, mas essa é uma campanha que está ocorrendo atualmente em todo os EUA e Canadá para criminalizar a população em situação de rua e ter penalidades de drogas mais severas – para intensificar a guerra às drogas. Eles se opõem à redução de danos enquanto enfrentamos uma crise maciça de fentanil e muitas pessoas estão sofrendo overdose dele.

Brian: Que tipos de táticas ele usa, por exemplo, em sua campanha para criminalizar pessoas em situação de rua?

Maya: Boas pesquisas nos mostraram que a redução de danos funciona como estratégia de saúde pública para salvar vidas e que a questão da população em situação de rua é um problema habitacional aqui na Califórnia. E o que ele fez foi confundir os dois problemas de sem-teto e uso de drogas. Não é incrivelmente preciso. O grupo da população em situação de rua de crescimento mais rápido que temos na Califórnia são na verdade os idosos, que estão sendo expulsos de suas residências e acabam vivendo nas ruas. Mas ele é um selecionador de dados. Ele vai passar por eles, vai escolher e vai criar uma narrativa em torno dos dados selecionados. Seu livro, ‘San Fransicko’, tem sido muito criticado por isso. E ele também financia. Ele deu subsídios, aqui e em alguns outros lugares, através de sua organização Environmental Progress, para pessoas locais que eu descreveria como influenciadores de mídia social anti-sem-teto e pessoas que dizem que são ex-viciados em drogas e pró-recuperação mas estão realmente promovendo uma linha muito específica que é anti-moradia e anti-redução de danos.

Brian: Você tem acompanhado o que ele tem dito sobre o Brasil esta semana. O que as coisas que ele tem feito aqui esta semana têm em comum com outras coisas que ele tem feito em outras questões no passado?

Brian: Shellenberger foi convidado por legisladores de direita para falar recentemente no Senado do Brasil e ele disse algo sobre se orgulhar de viver em um país onde os nazistas tinham o direito de marchar em frente às casas das vítimas do Holocausto. O nazismo é um crime no Brasil, assim como é na Alemanha. E ele fez esse argumento de que, se o nazismo fosse legalizado, então as pessoas poderiam simplesmente conversar com os nazistas e talvez convencê-los a mudar de ideia. Isso te lembra de coisas que ele tem dito nos Estados Unidos?

Maya: Absolutamente. Ele gosta de falar sobre a marcha nazista de 1977 em Skokie, Illinois. E eu não acho que isso esteja alinhado com os valores da maioria de nós aqui em São Francisco. Queremos apenas estar online e ter uma moderação de conteúdo normal, e não ter um monte de nazistas na plataforma, ter desinformação sobre vacinas e Covid e todas as insanidades.

É um truque que vemos com os reacionários, onde passamos do bem comum e justiça social e direitos sociais para apenas um direito civil individual muito estreito. Apenas um direito civil legal para mim como indivíduo fazer o que quiser, mas, para outras pessoas, a justiça social desaparece – o coletivo desaparece.

E, com Shellenberger, com as pesquisadoras de desinformação que ele atacou na Universidade de Stanford e na Universidade de Washington… As pessoas sabem que quando Michael Shellenberger escreve teorias da conspiração sobre você, você receberá ameaças de morte. As pessoas recebem ameaças de morte online quando Michael Shellenberger escreve essas teorias da conspiração sobre elas. Vários pesquisadores de desinformação receberam ameaças e algumas das pessoas que se manifestaram contra o impulso reacionário na política e a tentativa de grandes interesses da tecnologia de dominar a política da cidade de São Francisco também receberam ameaças.

Brian: Você sabe algo sobre o tempo dele no Brasil e na Nicarágua durante os anos 1990?

Maya: Temos muitas perguntas sobre o que ele estava fazendo lá. Sabemos que ele trabalhou para uma organização sem fins lucrativos chamada Global Exchange que patrocinaria pessoas ricas americanas para ir à América do Sul e ficar em Eco Hotéis, e eles venderiam café de comércio justo e patrocinariam esse movimento de ida e volta durante os dias em que todos estávamos protestando contra a OMC e a Globalização. E naquela época, Michael marchou na OMC em Seattle em 1999…

Brian: Você tem mais alguma coisa que gostaria de dizer sobre ele?

Maya: Apenas que ele é um conhecido disseminador de desinformação aqui em São Francisco e globalmente. O EU Disinfo Lab & The Institute for Strategic Dialogue fez um estudo e análise de seu site como um dos 30 que espalham desinformação sobre mudança climática na Europa. Estamos lidando com ele há muito tempo e estamos gratos e felizes em ver o povo brasileiro realmente o criticando fortemente porque acho que muitas pessoas aqui na esquerda e nos progressistas tiveram essa atitude de que se o ignorarmos, ele irá embora. Mas ele não vai embora se você o ignorar. Realmente precisa haver uma forte reação e crítica porque ele não tem o direito de mentir sem consequências. Ele não tem esse direito aqui nos Estados Unidos e não deveria tê-lo no Brasil.

*Redação com Brasil 247

Galeria de Imagens