Anadia/AL

13 de junho de 2024

Anadia/AL, 13 de junho de 2024

O ASA precisa de ajustes táticos para não se tornar um time previsível

Gigante enfrenta a Jacuipense neste sábado, às 17h, em Arapiraca; confira a provável escalação.

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 18 de maio de 2024

Esporte 1

Gabriel Feliciano, jogador do ASA - Foto: Auditore Fotografias

Por André Avlis.

O ASA enfrenta a Jacuipense neste sábado (18), às 17h, no Estádio Coaracy da Mata Fonseca, em Arapiraca. A partida é válida pela quarta rodada do Brasileiro da Série D. O time alvinegro tem sete pontos e é o terceiro colocado do Grupo A4.

Para o confronto, o técnico Rodrigo Fonseca deve manter o 4-3-3, sistema adotado no segundo tempo do jogo contra o Sergipe. A única e suposta dúvida está no meio-campo, entre os volantes Bruno Menezes e Wescley.

Com isso o time deve entrar em campo com: Bruno Pianissolla, Paulinho, Roni Lobo, Hítalo Rogério e Gabriel Feliciano; Allef, Bruno Menezes (Wescley) e Didira; Keliton, Grafite e João Cabral.

O ASA, em parâmetros estatísticos, conseguiu uma grande porcentagem de pontuação nos três primeiros jogos da competição; foram sete pontos conquistados em nove pontos disputados. Além de uma performance competitiva, como pede a Série D.

No entanto, mesmo com a perceptível evolução da equipe, a partir da mudança no sistema tático, o time precisa de algumas correções. Especialmente na fase ofensiva.

Sair de uma configuração tática para outra é sempre um momento complexo para a assimilação do atleta. O ASA utilizava o 4-3-2-1 e alterou para o 4-3-3. Ou seja, já havia encaixe em toda dinâmica pelo desenvolvimento da antiga formação.

Para o momento, creio que seja necessário ajustes no momento com a bola. Do lado esquerdo e direito de ataque. Uma vez que defensivamente o time já mostrou que vem evoluindo e sendo consistente.

Do lado esquerdo, Gabriel Feliciano e Grafite carecem de uma correção na movimentação. O lateral, que tem como característica a busca pela profundidade, individualidade, vem tendo dificuldades para manter o que esta naturalidade – e não há nada negativo neste aspecto.

Com a mudança no sistema, as movimentações mudaram. Grafite se coloca já ‘espetado’ por ser ponta, “bloqueando” as ultrapassagens de Gabriel que naturalmente tem que fazer a jogada por dentro, mais centralizado, numa zona do campo congestionada. Então, o ajuste parte deste princípio: alternar para potencializar os dois jogadores.

Já do lado direito ofensivo, Keliton vem sendo bem marcado. Os adversários entenderam que fazendo a dobra na marcação induz o jogador a fazer a jogada de fora para dentro e assim perde sua agressividade na busca pelo “fundo”.

Também pela troca do sistema, a dinâmica do lado direito mudou. É preciso ter mais aproximação para que haja superioridade numérica através de aproximação e assim, através desse jogo apoiado, fazer com que o meia-atacante tenha vantagem para utilizar seu ponto forte: a jogada individual.

Portanto, não é que individualmente determinados jogadores caíram de produção. A resposta para isso pode estar numa mudança tática que precisa ser assimilada por meio de outra dinâmica de movimentação pelo jogador.

O ASA, pelo seu desempenho, será um time visado, estudado e analisado. Por isso, precisa ajustar e corrigir suas ações ofensivas para não se tornar um time previsível.

Redação com Todo Segundos

Galeria de Imagens