Anadia/AL

22 de junho de 2024

Anadia/AL, 22 de junho de 2024

PF faz operação contra policiais e CACs por venda ilegal de armas no Nordeste

Quadrilha é acusada de armar facções criminosas nos estados da Bahia, Pernambuco e Alagoas.

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 21 de maio de 2024

POLICIA

Foto: Divulgação - PF

Por João Pedro Pitombo

(Folhapress) — A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta terça-feira (21) uma operação para desarticular organização criminosa formada por policiais militares da Bahia e Pernambuco, proprietários de lojas de armas e munições e CACs (colecionadores de armas, atiradores desportivos e caçadores).

A operação, batizada de Fogo Amigo, investiga uma quadrilha suspeita de vender armas e munições de forma ilegal para facções criminosas nos estados da Bahia, Pernambuco e Alagoas.

Os investigados podem responder pelos crimes de organização criminosa, comercialização ilegal de armas e munições, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. As penas, somadas, podem chegar a 35 anos de reclusão.

A Justiça determinou o cumprimento de 20 mandados de prisão, dos quais 18 já foram cumpridos até as 9h desta terça. Também estão sendo cumpridos 33 mandados de busca e apreensão nos três estados nordestinos.

Foi deferido o sequestro de bens e bloqueio de recursos dos investigados que chegam a R$ 10 milhões. Ainda foi determinada a suspensão das atividades de três lojas que vendiam material bélico de forma irregular.

A operação envolve a PF, Exército, Polícia Civil da Bahia, além das Polícias Militares e Ministérios Públicos estaduais da Bahia e Pernambuco. Cerca de 325 pessoas estão envolvidas na operação.

Durante a operação, o Exército realizou fiscalização em outras lojas de armas nos municípios de Juazeiro (BA) e Petrolina (PE).

PF em SP: CACs deviavam armas para PCC

A Polícia Federal e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) fazem operação na manhã desta terça-feira (21), em quatro estados, contra CAC’s (colecionador, atirador desportivo e caçador) suspeitos de fornecer armamentos e munições para quadrilha do Novo Cangaço.

No total, foram cumpridos 13 mandados de prisão temporária e 24 mandados de busca e apreensão domiciliar em São Paulo, Osasco, Santo André, São Bernardo do Campo, Guarulhos, Piracicaba, Mairinque, Buri, Xique-Xique (BA), Timon (MA) e Corrente (PI).

Segundo o Gaeco, 11 alvos da operação foram presos até as 9h desta terça. Dois seguem foragidos. Outras três pessoas foram presas em flagrante durante a operação.

PF e Gaeco miram organização criminosa do “Novo Cangaço” (Divulgação/PF)

A investigação começou depois de uma tentativa de roubo em abril de 2023, na cidade Confresa, em Mato Grosso. Na ocasião, cinco suspeitos foram presos e 18 mortos no confronto com as forças de segurança.

Segundo a Promotoria, essa e outras ações semelhantes foram financiadas por integrantes do PCC que atuam no tráfico de drogas e na lavagem de dinheiro. Além disso, a investigação revelou que os principais fornecedores de armas e munições utilizadas pelo PCC são CACs.

A operação também conseguiu o bloqueio de contas e o sequestro de bens no valor de até R$ 4 milhões.

Redação com ICL

Galeria de Imagens