Anadia/AL

16 de junho de 2024

Anadia/AL, 16 de junho de 2024

PF: Irmãos Brazão tinham “repugnância” a Marielle e mandaram matá-la

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 24 de março de 2024

PRISÃO

Domingos Brazão, e Chiquinho Brazão | Foto: Reprodução

Por Eduardo Barreto e Manoela Alcântara

A Polícia Federal (PF) apontou que os irmãos Brazão, presos neste domingo (24/3) sob suspeita de mandar matar a vereadora Marielle Franco em 2018, tinham “repugnância” à atuação política da vereadora. A PF afirmou também que os Brazão tinham “animosidade” contra os políticos do PSol, partido de Marielle.

O relatório da PF foi citado na decisão que autorizou a operação deste domingo, assinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF. Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, e Chiquinho Brazão, deputado federal pelo União Brasil do Rio de Janeiro, foram presos, além de Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil fluminense.

“Sob a ótica dos autores mediatos, o crime foi cometido mediante motivação torpe [sórdida], ante a repugnância dos Irmãos Brazão em relação à atuação política de Marielle Franco e de seus correligionários em face dos seus interesses escusos”, afirmou o documento da PF, que citou em outro trecho a “animosidade dos irmãos Brazão em face dos políticos do PSol”.

As investigações mostram que os irmãos Brazão encontraram amplo apoio na Polícia Civil do Rio de Janeiro para que o assassinato ficasse impune. O então chefe da polícia planejou o crime “meticulosamente”, segundo a PF. A Polícia Civil fluminense tramou para a investigação do assassinato de Marielle Franco ser “natimorta”, ou seja, não ter qualquer evolução.


Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil fluminense – Fernando Frazão – Agência Brasil

Redação com Metrópoles 

Galeria de Imagens