Anadia/AL

18 de maio de 2024

Anadia/AL, 18 de maio de 2024

Polícia Científica realiza instrução para alunos do CFAP da PM

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 27 de janeiro de 2024

vv2

Foto: Assessoria

Integrantes do Curso de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP) da Polícia Militar visitaram, esta semana, a sede da Polícia Científica de Alagoas (Polcal) para conhecer as atividades de perícia criminal desenvolvidas pelo órgão. Os alunos, todos do 22º pelotão de Arapiraca, visitaram as dependências do Instituto de Criminalística, conheceram a estrutura, os laboratórios forenses e tiveram aulas práticas de várias áreas de atuação do órgão.

A visita técnica aconteceu a pedido do sargento da Polícia Militar, Ismair Santiago, do Grupamento Aéreo da SSP, um dos instrutores do polo do CFAP em Arapiraca. Responsável por ministrar a matéria de policiamento ostensivo geral, o militar explicou a importância desse tipo de integração na formação dos futuros soldados e para os PMs já formados.

“Todo o curso é muito importante para a formação militar, porque ensina a eles a serem polícia. Essa parte de perícia criminal é importante porque é uma área que eles vão se deparar ao decorrer da carreira deles, sempre haverá uma oportunidade, aonde eles irão se deparar com o trabalho da Criminalística, então essa instrução que a gente está tendo hoje aqui, é de suma importância para o crescimento profissional deles”, afirmou Santiago.

O sargento Ismair ainda destacou que os soldados, durante a visita técnica, tiveram uma ótima oportunidade de conhecer o funcionamento do órgão mais novo da SSP. Para ele, seria de grande relevância que todas as instituições conseguissem fazer essa troca de conhecimento para todos os integrantes das forças de segurança, mesmo para os já formados, com o intuito de acrescentar no conhecimento profissional.

Os futuros soldados da PM foram recebidos pelo perito criminal Gerard Deokaran no auditório do IC, onde ele deu uma instrução sobre a importância e de como fazer o isolamento de local de crime. O perito explicou que essas orientações são fundamentais para o conhecimento dos policiais militares na área de reconhecimento e isolamento na preservação de vestígios.

“Por muitas vezes, a perícia criminal chega em locais de crimes e não encontra ele isolado e preservado. Com isso, os peritos acabam perdendo vestígios, dificultando a indicação da autoria e a dinâmica da ação. É importante que os militares conheçam esses procedimentos para evitar perdas e saibam que eles são essenciais, não só para o reconhecimento, mas também para o isolamento dos vestígios para que o Instituto de Criminalística possa prestar um serviço técnico mais preciso”, explicou o perito.

Após as instruções de isolamento, o pelotão foi dividido em grupos menores para realizar a visita técnica nos laboratórios forenses. Um deles foi o Laboratório de Química e Toxicologia Forense, onde o perito criminal Gerard Deokaran mostrou para eles os equipamentos utilizados para a realização de exames periciais em entorpecentes, em boa parte apreendidos pela PM, em todo o Estado.

A perita criminal Rosana Coutinho, chefe do Laboratório Forense, apresentou aos praças a unidade laboratorial de Genética Forense. Nesse laboratório são realizados diversos tipos de exames em amostras e vestígios biológicos encontrados e recolhidos pelos peritos em locais de crime, em vítimas, autores, utilizados para a identificação por meio de DNA de criminosos, de corpos não identificados, de outras provas técnicas para elucidações de crimes.

No Laboratório de Balística, os peritos criminais Paulo Rogério e Sueli Maurício mostraram uma série de equipamentos utilizados por eles na realização de exames em armas e elementos de munição. Eles conheceram os microcomparadores balísticos e a câmera de disparos, utilizados em exames de eficiência e de comparação, de extrema importância para investigações de crimes contra a vida.

“Vale a pena que todos os polícias da tropa tenham esse tipo de conhecimento, inclusive é uma matéria que deveria existir dentro dos cursos de formação da PM, onde peritos criminais pudessem dar esse tipo de instruções para todos os pelotões. Seria de extrema importância que as polícias militar e científica se alinhassem, criando uma disciplina onde os peritos pudessem ensinar de uma maneira mais específica as atividades de perícia criminal para que as duas instituições possam trabalhar de forma mais integrada no combate a violência”, disse Gerard Deokaran.

*Redação com Diário Arapiraca 

Galeria de Imagens