Anadia/AL

20 de junho de 2024

Anadia/AL, 20 de junho de 2024

Sobrinha passa a ser investigada por homicídio culposo por levar ‘Tio Paulo’ para pegar empréstimo ‘em situação gritante de perigo de vida’

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 1 de maio de 2024

paulo

Reprodução / Redes sociais

Érika Souza, a sobrinha que levou o tio, Paulo Roberto Braga, já morto, para pegar um empréstimo com atendentes de um banco, passou a ser investigada pelo crime de homicídio culposo – quando não há a intenção de matar.

Érika já era investigada por vilipêndio de cadáver e tentativa de furto mediante fraude – e está presa preventivamente em Bangu. Após novos depoimentos e diligências, o delegado Fabio Luiz Souza, da 34ª DP (Bangu), concluiu que houve “gritante omissão de socorro”.

“Considerando que no dia 16/4/2024, certamente percebendo que Paulo estava em situação gritante de perigo de vida, o que pode ser vislumbrado pelas declarações de todas as testemunhas que tiveram contato com a vítima, ao invés de ir novamente ao hospital ela se dirigiu ao shopping, configurando uma gritante omissão de socorro, determino; proceda-se a novo registro de ocorrência para apurar o delito de homicídio culposo”, escreveu o delegado em seu despacho, obtido pela TV Globo.

Nesta terça-feira (30), foi concluída a primeira fase do inquérito, que se refere ao flagrante. Após a segunda fase, a Polícia Civil vai definir se indicia Érika pelos crimes.

Conversa com o cadáver – Em 16 de abril, Érika levou o tio, em uma cadeira de rodas e completamente imóvel e de olhos fechados, para tentar sacar um empréstimo em um banco em Bangu, na Zona Oeste do Rio.

Um vídeo feito pelas atendentes do banco mostra que a todo tempo Érika tentava manter a cabeça do homem levantada, usando a mão, e conversava com o suposto parente – que, claro, não responde.

“Tio, tá ouvindo? O senhor precisa assinar. Se o senhor não assinar, não tem como. Eu não posso assinar pelo senhor, o que eu posso fazer eu faço”, afirma a mulher.

Ela mostra o documento e afirma que ele tinha que assinar da forma que estava ali e diz: “O senhor segura a cadeira forte para caramba aí. Ele não segurou a porta ali agora?”, pergunta às atendentes, que dizem não ter visto.

“Assina para não me dar mais dor de cabeça, eu não aguento mais”, completa.

Novas provas – O delegado cita novas provas para incluir o crime de homicídio. Segundo ele, dois depoimentos revelam que Érika tentou colocar uma conta própria para receber o dinheiro do tio e que chegou a ir até a agência sem ele para sacar – mesmo sabendo que ele precisaria assinar.

Fonte: TNH1

Galeria de Imagens