Anadia/AL

22 de julho de 2024

Anadia/AL, 22 de julho de 2024

STJD vê provas “imprestáveis” e sugere suspensão de 6 anos a Textor por acusações de manipulação

A conclusão foi encaminhada para a Procuradoria da Justiça Desportiva.

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 5 de julho de 2024

Esportes 3

John Textor, dono da SAF do Botafogo - Foto: Reprodução

O Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) divulgou nesta sexta-feira o relatório da conclusão do inquérito instaurado para apurar as denúncias de manipulação de resultados no futebol brasileiro feitas por John Textor, dono da SAF do Botafogo.

O auditor recomentou a aplicação de penalidades de multa (R$ 2 milhões) e suspensão de 2.340 dias (cerca de seis anos), as maiores já propostas na história do STJD. A conclusão foi encaminhada para a Procuradoria da Justiça Desportiva.

Após análise das provas, ditas “irrefutáveis” por John Textor, o relatório, presidido pelo auditor do Pleno Mauro Marcelo de Lima e Silva classificou as provas apresentadas por ele como “imprestáveis”, além disso entendeu que Textor cometeu ilícitos desportivos contra a honra praticados pelo sócio majoritário do Botafogo contra atletas, clubes e árbitros. Ainda, foram constatadas infrações contra a ética desportiva e a motivação pessoal na solicitação da instauração do inquérito.
Além disso, foram constatadas infrações contra a ética desportiva e a motivação pessoal na solicitação da instauração do inquérito, aberto pela Procuradoria após contestações de Palmeiras, São Paulo, Associação de atletas e dos árbitros após as denúncias do norte-americano.

De acordo com o relatório, Textor apresentou dois vídeos: um com 5 minutos e 53 segundos de duração e o
outro com 47 minutos e 18 segundo, com dois sócios da “Good Game” se apresentando. A empresa foi contratada por Textor para analisar as partidas em que ele suspeita de manipulação. Além disso, o norte-americano apresentou também arquivos em pdf com análise dos jogos em que diz ter tido manipulação

Sociedade Esportiva Palmeiras (pessoa jurídica), Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense (pessoa jurídica), Esporte Clube Bahia (pessoa jurídica), Clube de Regatas Flamengo (pessoa jurídica), Clube Atlético Mineiro (pessoa jurídica) e São Paulo Futebol Clube (pessoa jurídica) e cinco de seus atletas, Fortaleza Esporte Clube (pessoa jurídica) e quatro de seus jogadores, além de dez árbitros, são registrados como as vítimas do inquérito.

John Textor publicou um texto em seu site oficial, em abril deste ano, afirmando que o jogo entre e Palmeiras 5 a 0 São Paulo, que aconteceu em outubro de 2023, foi manipulado por ao menos cinco jogadores do Tricolor. Além disso, ele cita outros cinco jogos do Verdão como suspeitos de terem sido manipulados.

Redação com Gazeta Web

Galeria de Imagens