Anadia/AL

13 de junho de 2024

Anadia/AL, 13 de junho de 2024

Veja quem são as influenciadoras presas por divulgar cigarro eletrônico com óleo de maconha

Segundo as investigações, elas seriam parte de uma organização suspeita de comprar produto dos EUA | 17:29 hs

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 24 de abril de 2024

vv1

Araraquara 24 horas

Por: Rafaela Soares 

Com milhares de seguidores nas redes sociais, Elisa de Araújo Marden, Letícia Susane Correia e Rhaynara Didoff usavam as redes sociais para documentar uma vida de festas, belas paisagens e divulgar o uso de produtos à base de maconha, segundo a polícia. As três influencers foram presas nesta quarta-feira (24) em uma operação conjunta das polícias civis do Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro. Elas seriam parte de uma organização suspeita de comprar óleo de maconha dos Estados Unidos, que eram trazidos em potes de cera de depilação para o Brasil. Ao todo, sete pessoas foram presas e carros de luxo foram apreendidos.

Segundo as investigações, a presença das mulheres nas redes sociais era utilizada pelo suposto grupo para atrair cada vez mais o público. Elisa se descreve como empresária e chegou a publicar um vídeo onde afirma que o consumo da substância poderia promover uma melhora na vida das pessoas. O conteúdo foi postado em uma conta alternativa, já que Elisa diz ter perdido o acesso a uma conta com mais de 40 mil seguidores.

A polícia afirma que a droga era enviada de Foz do Iguaçu (PR) para a capital paulista, local em que parte do bando manipulava as substâncias para abastecer refis de cigarros eletrônicos e outros suportes. “Misturavam solventes ao óleo de canábis e aromatizantes, informando pelos websites e redes sociais do grupo que estavam vendendo diferentes genéticas de maconha, sendo que, na verdade, misturavam solventes diversos e aromatizantes nas drogas.”

Rhaynara Didoff postava fotos com apologia ao uso da droga, como em uma foto em que afirma que fumaria maconha no Natal. Ao fundo, a jovem aparece fumando um cigarro com caraterísticas da droga. Em outra publicação, a influenciadora aparece em várias imagens fumando. O perfil, com mais de 38 mil seguidores, também tem uma referência à maconha, ao conter uma expressão em inglês que se traduz para “chapada”, como é conhecia sensação que a substância causa dos usuários. Rhaynara se define como criadora de “conteúdo canábico”, cantora, produtora audiovisual, social mídia.

A ação da organização acontecia principalmente no ambiente virtual. Elas usavam números internacionais para o contato com os clientes e uso do aplicativo de mensagens. “Profissionais de TI do Rio de Janeiro eram responsáveis pela construção das plataformas de comércio eletrônico do grupo, colaborando com a lavagem de dinheiro a partir da automatização dos pagamentos e utilização de documentos e dados falsos no contato com a rede bancária”, dizem os investigadores.

Letícia Susane Correia trocou o nome da conta em uma rede social e privou o conteúdo. Uma imagem obtida pela RECORD mostra a jovem consumindo um cigarro e também marcando um perfil com nome em referência à substância. “Façam seus pedidos”, diz a conta na biografia.

Letícia marcada perfis com referências ao uso da subtstância(MATERIAL CEDIDO AO R7)

Para os responsáveis pela operação, o grupo se aproveitava do descontrole das redes sociais para obter “lucros milionários […] tendo rede de contatos em diversos países e websites e redes sociais reservas, para o caso de queda de algum recurso em virtude da ação policial”.

A apuração da polícia mostrou que parte dos insumos para as drogas vinha da China e do Rio de Janeiro, de forma personalizada, com a logomarca do esquema criminoso. Os chefes da organização moravam em São Paulo e não tinham contato com as substâncias enviadas, já que elas eram distribuídas pelos Correios.

*Redação com Notícias. R7

Galeria de Imagens