Anadia/AL

21 de julho de 2024

Anadia/AL, 21 de julho de 2024

Minas 3 e 25 da Braskem se aproximam da superfície em Maceió

ABN - Alagoas Brasil Noticias

Em 4 de março de 2024

vv2

AFP

As minas de sal-gema de números 3 e 25 estão aumentando de volume e se aproximando da superfície, segundo documentos da Braskem encaminhados no último dia 27 de fevereiro para Agência Nacional de Mineração (ANM). Os relatórios fazem parte da exigência feita pela ANM de atualização da situação de todas as crateras após o rompimento da mina 18.

As duas cavernas estão hoje fora da camada de sal no subterrâneo. A atualização dos sonares mostram que ambas continuam desmoronando internamente e em movimento vertical em direção a superfície. Diferentemente da mina 18 que colapsou dentro da Lagoa Mundaú em dezembro do ano passado, as duas minas estão sob a superfície do Bairro do Mutange.

A mina 3 está localizada a cerca de 250 metros do ponto mais isolado da área de mineração na região da antiga Praça Lucena Maranhão. A área está isolada por tapumes de metal, mas o fluxo de carros continua normal. Num possível dolinamento, a cratera ficaria há menos de 200 metros do fluxo de pessoas.

Além de estar se encaminhando para a superfície, a mina 3 continua aumentando de volume. O último sonar realizado na caverna, realizado em 5 de agosto do ano passado, mostrava uma cavidade com 24.800 m³ de volume. O documento encaminhado no final de fevereiro deste ano mostra que a caverna tem agora um volume de 24.930 m³.

Em agosto, o topo da caverna estava há 698,71 metros de profundidade. O sonar realizado no mês passado mostra que a caverna subiu mais de 3 metros e agora está há 695 metros de profundidade. A mina 3 tem 61,57 m de largura e 47 m de altura, o equivalente a um prédio de 15 andares.

Além disso, o exame de sonar mostra que a cavidade está mudando sua geometria, com o topo ficando cada vez mais largo, o que pode gerar mais instabilidade na caverna subterrânea, acelerando o processo de desmoronamento e o risco de dolinamento natural.

Já a mina 25 está localizada por trás do antigo prédio sede do Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sinteal) e está mais próxima da superfície: há 354 metros fora da camada de sal. Desde de 2023, a mina estava em processo de preenchimento e já havia recebido, até o mês de setembro, 46 mil m³ de areia. O serviço foi paralisado durante o protesto realizado por moradores e não foi retomados por conta do colapso da mina 18.

A mina 25, na época da paralisação, estava há 544,8 metros de profundidade. No documento encaminhado para a ANM, a cratera está agora há 541,5 metros de profundidade. O documento mostra ainda que a cratera tem agora 67 metros de altura e 93,85 metros de largura.

*Redação com o jornal extra

Galeria de Imagens